“Aquele que não conhece a verdade é simplesmente um ignorante, mas aquele que a conhece e diz que é mentira, este é um criminoso”. (Bertolt Brecht)

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Filmes: Árabe/Oriente Médio/Islamismo

Ruins, Árabes Malvados: Como Hollywood Vilificou um Povo.
Documentário que expõe de maneira detalhada como o cinema de Hollywood, desde o início da sua história até os mais recentes blockbusters, mostrou os árabes de forma distorcida e preconceituosa. O filme tem como apresentador o aclamado autor do livro “Reel Bad Arabs”, Dr. Jack Shaheen, Professor da Universidade de Illinois e estudioso do assunto. O filme faz uma análise, baseado em uma longa lista de imagens de filmes, de como os árabes são apresentados como beduínos bandidos, mulheres submissas, homens violentos, sheiks sinistros ou idiotas perdulários, ou ainda como terroristas armados e prestes a explodir pessoas e lugares. Uma maneira brilhante de mostrar em uma narrativa bem construída, como as imagens contribuíram e contribuem para formar os estereótipos em torno dos árabes, suas origens e sua cultura. Para escrever o livro, o autor analisou mais de 900 filmes, o que possibilitou formar esta contra narrativa, reforçando a necessidade de mostrar a realidade e a riqueza da Cultura e da História Árabes. O filme foi exibido em diversos festivais nos EUA, Europa e Mundo Árabe e recebeu o apoio do Comite Anti-Discrimição dos Árabes.
Direção: Sut Jhally
http://www.youtube.com/watch?v=Im5qQ9s-ohAAno: 2001
Duração: 51 min
Áudio: Inglês/Legendado 

A caminho de Kandahar


Nafas (Niloufar Pazira) é uma jovem afegã que fugiu de seu país em meio à guerra civil dos Talibãs e hoje trabalha como jornalista no Canadá. Até que sua irmã mais nova, que ficou no Afeganistão, lhe envia uma carta avisando que irá se suicidar antes da chegada do próximo eclipse solar. Nafas resolve então retornar ao Afeganistão a fim de tentar salvar sua irmã.


Direção: Mohsen Makhmalbaf
Ano: 2001
http://ul.to/zxbohthqDuração: 82 min 
Áudio: Persa/Legendado

  Osama
Num país que enviou seus homens para a guerra e que proíbe as mulheres de trabalhar, muitas famílias passam fome. Em pleno regime Talibã, no Afeganistão, a mãe oprimida pelo regime muda a aparência da sua filha, uma garota de doze anos. Ela passa a ser chamada de Osama, obrigada a cortar o cabelo e a vestir-se como se fosse um menino para ajudar a sua família, que é composta apenas por mulheres. Tudo corre bem até que Osama é recrutado pelo exército e inicia uma jornada assustadora pelas estradas do Taleban.
Seis meses depois da queda do regime Talibã o cineasta afegão Siddiq Barmak, que na altura se encontrava exilado no Paquistão, começou a desenvolver Osama. Rodado completamente na capital Cabul, Osama tem no seu elenco apenas atores amadores, recrutados em escolas, orfanatos, centros de crianças da rua e campos de refugiados. A única exceção foi a protagonista, Marina Golbahari, que foi encontrada pelo realizador enquanto andava pela rua. Inspirado numa história verídica, “Osama" é o primeiro filme inteiramente Afegão rodado desde a Ascenção e queda do regime Taliban.Mais um filme premiado em vários festivais, entre os quais três prémios em Cannes, e o Globo de Ouro para Melhor Filme Estrangeiro.
Direção: Siddiq Barmak
http://ul.to/8spdqhkgDuração: 80 min.
Ano: 2003
Áudio: Dari/Pashtu/Inglês/Legendado

O Apedrejamento de Soraya M.
Abandonado em uma remota aldeia iraniana, um jornalista francês é abordado por Zahra, uma mulher que tem uma história horrível para narrar sobre sua sobrinha, Soraya, e as circunstâncias da sua morte sangrenta no dia anterior. Enquanto o jornalista liga o gravador, Zahra nos leva de volta ao começo da história que envolve o marido de Soraya, um falso mulá (líder da mesquita muçulmana), e uma cidade envolta em mentiras, repressão e pânico. As mulheres, despojadas de todos os direitos e sem recursos, nobremente confrontam os desejos devastadores dos homens corruptos, que usam e abusam da autoridade para condenar Soraya, uma esposa inocente mas inconveniente, a uma morte injusta e cruel. Um drama sobre o poder do crime, um mundo fora da lei e a falta de direitos humanos para as mulheres. A última esperança de alguma justiça está nas mãos do jornalista, que deve escapar com a história – e sua vida – para que o mundo tome conhecimento. Baseado no livro homônimo do autor franco-iraniano Freidoune Sahebjam.
Direção: Cyrus Nowrasteh
http://ul.to/vy409w7jDuração: 116 min.
Ano: 2008
Áudio: Inglês/Persa/Legendado

Lemon Tree (Limoeiro)
Salma (Hiam Abbass), uma viúva Palestina, vê sua plantação ser ameaçada quando seu novo vizinho, o Ministro de Defesa de Israel (Doron Tavory), se muda para a casa ao lado. A Força de Segurança Israelense logo declara que os limoeiros de Salma colocam em risco a segurança do ministro e por isso precisam ser derrubados. Salma leva o caso à Suprema Corte de Israel para tentar salvar a plantação.
São várias as questões tratadas por este belíssimo filme! As guerras étnicas, o conflito Israel X Palestina, a justiça praticada pelos mais fortes contra os mais fracos, os conflitos homem X mulher, o machismo, a situação da mulher árabe, a solidariedade humana entre mulheres, a solidão e "ninho vazio", e vai por aí, todas as questões tratadas com sensibilidade, profundo respeito pela condição humana e principalmente pela condição feminina.
Direção: Eran Riklis
http://ul.to/7pyjcbs9Ano: 2008
Duração: 106 min
Áudio: Árabe – Hebreu/Legendado

 Persépolis 
Persépolis é um filme francês de animação de 2007, baseado no romance gráfico autobiográfico homônimo de Marjane Satrapi. Sua trama começa pouco antes da Revolução Iraniana. O título é uma referência à cidade histórica de Persépolis.

Marjane é uma jovem iraniana de oito anos, que sonha em ser uma profetisa do futuro, para assim salvar o mundo. Querida pelos pais cultos e modernos e adorada pela avó, ela acompanha avidamente os acontecimentos que conduzem à queda do Xá e de seu regime brutal. A entrada da nova República Islâmica inaugura a era dos "Guardiões da Revolução", que controlam como as pessoas devem agir e se vestir. Marjane, que agora deve usar véu, deseja se transformar numa revolucionária. Mas, para tentar protegê-la, seus pais a enviam para a Áustria.
O filme estreou no Festival de Cannes de 2007, onde recebeu o prêmio do júri. Em seu discurso, Marjane disse que "apesar desse filme ser universal, eu gostaria de dedicar o prêmio a todos iranianos".
Persépolis foi escolhido pelo governo francês para representar o país na disputa ao Oscar de melhor filme estrangeiro e, apesar de não ter sido indicado na categoria, foi um dos três indicados ao prêmio de melhor filme de animação.
Direção: Marjane Satrapi e Vincent Paronnaud
http://ul.to/bvyhx1xpAno: 2007
Duração: 92 min
Áudio: Francês/Legendado

4 comentários:

  1. Este é um dos melhores sites da Internet.Muito obrigado Tonhão, estou indicando para amigos.

    Abraços

    Lenilson
    Mogi das Cruzes

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pelas dicas, também sou prof de História. Abraços!

    ResponderExcluir