“E agora que vocês viram no que a coisa deu, jamais esqueçam como foi que tudo começou” (Bertolt Brecht)

quinta-feira, 14 de janeiro de 2021

Sexo forte

Enfrentando riscos, assumindo responsabilidades próprias dos homens e lutando pelos seus direitos, as mulheres participam da construção do Brasil desde os tempos da Colônia.

Eni Mesquita Samara


                    Ao contrário do que comumente se pensa, a luta pela emancipação feminina não é uma característica da modernidade. Pesquisas recentes mostram que as mulheres, desde o período colonial, estiveram integradas ao processo de povoamento e de circulação de riquezas no país. Lideraram famílias e negócios e, mais ainda, quando estavam insatisfeitas com o casamento não se acanhavam em pedir o divórcio. Já no século XVII, muitas habitantes da colônia demonstravam grande coragem acompanhando maridos ou filhos que se embrenhavam no sertão, desbravando terras virgens e fundando vilarejos. Outras, tendo ficado viúvas e sozinhas, davam continuidade às atividades antes desenvolvidas pelos homens da casa. Muitas deixaram sua marca na história, como Francisca Cardoso, braço direito do marido, Gaspar Vaz, juiz e vereador em São Paulo de 1596 a 1601, que após esse período recebeu ordens do governador d. Francisco de Souza para abrir uma estrada e fundar um novo povoado, Mogi das Cruzes; ou Maria de Moraes, que, com a morte do marido em 1683, assumiu com sucesso a administração das Minas de Caaguaçu, em São Paulo.

               Processos datados dos séculos XVIII e XIX mostram que as mulheres, enfrentando preconceitos e muitas vezes a truculência dos próprios maridos, sabiam muito bem como lutar para libertar-se de um casamento infeliz. Curiosamente, as ações de divórcio eram, na maioria, movidas por mulheres e aceitas pelo tribunal eclesiástico, especialmente nos casos de adultérios e de maus-tratos. Cabe esclarecer que desde a Colônia até o final do Império, os pedidos de separação e de anulação de matrimônio eram julgados pelo tribunal eclesiástico, pois tratava-se de assunto da alçada da Igreja, que embora aceitasse legalmente os pedidos de divórcio, exigindo a separação de corpos e bens, não permitia que os cônjuges contraíssem novas núpcias. O processo podia ser amigável ou litigioso e era concedido sob duas formas: anulação do casamento (permitida caso este não tivesse sido consumado por relações sexuais) e separação de corpos. Só era concedido a partir de alegações consideradas graves na época: adultério, abandono de lar, eventuais questões religiosas, maus-tratos, doenças infecciosas ou injúrias.

               Diferente daquele solicitado sob alegação de sevícias, o divórcio por adultério possuía natureza perpétua, incluindo o "toro" (camas separadas) e a separação dos consortes, que passavam a habitar, por decisão do tribunal, casas diferentes. Já no caso da prática de maus-tratos denunciada pela mulher, a separação era concedida de forma temporária, de modo que o marido pudesse ter tempo de abrandar o gênio e vir a assinar depois um "auto de composição", no qual propunha-se a mudar o comportamento e tratar a mulher de modo moderado. Caso isso não acontecesse, a cônjuge descontente podia retomar o processo.           

               Conforme percebemos nos relatos das esposas envolvendo adultério, havia sempre por parte dos juízes a preocupação em definir com exatidão que tipo de infração fora cometida pelo marido. Uma coisa era trair a mulher de forma casual, com meretrizes. Outra, considerada bem mais grave pela Igreja, era um concubinato estável e perdurável. Isso provocava escândalo e agredia a moral da sociedade. O fato de o marido ter uma concubina, supunha-se, o levava a ausentar-se de casa, deixando faltar alimentos e roupas para a família. Exemplo dessa situação aparece no processo que Jesuína Luiza dos Santos moveu em 1828 contra o esposo.

               A mulher, que se diz "matrona grave, honesta e de reconhecida probidade", justifica o seu pedido de divórcio alegando viver "o dito marido" concubinado com uma "Francisca de Tal", desta mesma cidade (São Paulo) e de, além disso, estar contagiado pela "morféa", nome que se dava à hanseníase. Por esse motivo, ela "se não tem resolvido a ter ajuntamento carnal com o sobredito marido". Jesuína informa que, antes de casar-se, não tinha conhecimento de que o esposo estava infeccionado e que ignorava o fato do mesmo viver concubinado, pois "que se tal soubesse certamente não se casava com ele".

               Em outro processo, de 1855, este movido por um homem contra uma mulher, um italiano naturalizado brasileiro, casado com uma italiana e residente em São Paulo, ausentou-se do Brasil por prescrição médica, indo à Itália tratar da saúde. Ele deixou aos cuidados da esposa a administração de todos os bens do casal, incluindo uma casa de pensão e um hotel. Para sua surpresa, ao retornar, em 1856, a mulher havia vendido o hotel e passara para o nome do amante a casa de pensão, além de continuar vivendo como adúltera.

               Como se pode perceber, homens e mulheres viveram situações de conflito no casamento que resultaram em traições de ambos os lados. No entanto, em função da legislação que vigorava na época, havia diferenças nos julgamentos dessas ações "pecaminosas". Para os maridos, era necessário provar-se a existência de uma concubina "teúda e manteúda". Para as mulheres, um simples desvio bastava para incriminá-las. Por isso, quando as esposas alegavam adultério, frequentemente os maridos tentavam acusá-las do mesmo crime. Se conseguissem prová-lo, o processo estaria encerrado, pois afinal uma fornicação fora paga com outra.

               As desigualdades também persistiam ao longo dos julgamentos, pois, para assegurar que obteria a separação, a suplicante deveria, no tempo em que estivesse correndo o processo, manter uma conduta idônea, sem nem mesmo poder sair de casa. Caso fosse vista perambulando pela cidade, o marido podia requerer, exigindo que ficasse "depositada" em casa honesta. Uma forma de as esposas garantirem o ganho da causa era sempre colocar-se diante do júri conforme os padrões aceitos pela sociedade. Deviam apresentar-se como mulheres honestas, obedientes e recatadas. O ideal era conseguir provas de que o marido não cumpria seu papel de provedor e protetor.

               Ao alegarem maus-tratos por parte dos cônjuges, elas conseguiam mais facilmente ganhar a causa, já que as sevícias constituíam uma ameaça à integridade física e à preservação de suas vidas. Essa acusação sempre tinha mais peso do que supostas relações extramatrimoniais do marido. Se este fosse acusado apenas de traição, caberia à esposa o ônus da prova, e ela podia também ser acusada de adultério, o que dificultaria o ganho da ação.

               A atuação das mulheres não se resumia, entretanto, a disputas jurídicas com os seus maridos. Desde a Colônia é possível perceber sua marcante presença nos setores de serviços e de abastecimento. Eram costureiras, doceiras, tecelãs, lavadeiras e quitandeiras. No campo, trabalhavam na lavoura e também nos ofícios domésticos. Este era um nicho do mercado frequentemente descartado pelos homens. Portanto as mulheres, assim como os trabalhadores livres e pobres, tinham no sistema a alternativa das atividades mais humildes e menos rentáveis.

               O movimento constante da população dos séculos XVII ao XIX, associado à forte migração masculina, principalmente para as áreas de fronteira, deixou muitas mulheres sozinhas, sem perspectiva de casamento. E estas tiveram de buscar por conta própria meios que garantissem sua sobrevivência, a de seus filhos e agregados. O panorama certamente explica a alta incidência de mulheres chefes de família, especialmente nas áreas urbanas. Em São Paulo, no ano de 1836, elas estavam representadas em 35,8% dos domicílios. Em Fortaleza, em 1887, correspondiam a 30%. Um dos índices mais altos é o de Vila Rica de Ouro Preto, em 1804, onde 45% das famílias eram encabeçadas por mulheres. Seja numa economia em florescimento, como a São Paulo da segunda metade do século XIX, ou numa situação econômica desfavorável, como a Fortaleza assolada pela seca, as mulheres chefes de família constituem destaque na organização social, exercendo profissões consideradas tradicionais, comandando escravos e agregados ou em outras ocupações surgidas com a diversificação econômica.

               Ao longo do século XIX, vão ocorrer uma série de mudanças na vida das mulheres, abrindo-se novas oportunidades no mercado de trabalho. Segundo o Recenseamento Geral do Brasil, realizado no ano de 1872, notamos que nas ocupações femininas da população ativa, com idade maior de dez anos, que declararam ter atividade, há destaque para serviços domésticos (22,83%), serviços agrícolas (18%) e de costura (10,59%). No século XX, a sociedade brasileira muda. As migrações para a cidade e o ritmo da vida urbana industrial transformaram tanto os aglomerados familiares, modificando o tamanho das famílias e as relações entre parentes, quanto a autoridade do pai e do marido frente à entrada efetiva da mão de obra feminina no mercado de trabalho. Isso implicou um processo de reconhecimento do trabalho feminino, na medida em que complementava a renda familiar. Neste período, as mulheres, apesar de exercerem atividades marginais ao processo produtivo, preenchiam os quadros de prestação de serviços exigidos pela urbanização, empregando seu conhecimento de técnicas domésticas na industrialização incipiente. No entanto, ainda eram obrigadas a assumir uma dupla jornada de trabalho, pois continuavam responsáveis pelos cuidados da casa.

               Com isso, uma nova gama de profissões vai-se consolidando. Em 1940, para a população brasileira, elas aparecem em atividades domésticas não remuneradas (70,74%), serviços domésticos remunerados (3,99%), como professoras (7,23%), trabalhadoras industriais (2,17%), agricultoras em geral (9,69%) e atividades extrativistas (0,27%). Estão ainda nas profissões liberais, em menores porcentagens, aparecendo como médicas, veterinárias, dentistas, farmacêuticas e profissionais do ensino.

               Se no século XIX o ideal burguês de valorização da família, da mulher dedicada ao lar, sustentada pelo marido e preservada dos males da rua, foi desejado pela maioria das mulheres, já ao longo do século XX o mercado de trabalho atraía cada vez mais mulheres. Com a recente possibilidade de ascensão e independência financeira, começou a delinear-se o redimensionamento dos papéis de gênero na sociedade. A cidadania, por sua vez, é uma conquista através do voto feminino concedido no processo democrático brasileiro em 1933.

               Concluindo todo esse percurso da história das mulheres no Brasil, podemos dizer que se hoje elas desfrutam da cidadania, da igualdade de direitos, do acesso à educação e ao mercado de trabalho, isso foi conquistado com muito esforço. Por outro lado cabe ainda observar que mesmo no passado as mulheres brasileiras não estiveram apenas restritas ao âmbito doméstico, como se pensava, mas presentes no processo de colonização, na formação de vilas, no gerenciamento de negócios e atividades e nas chefias de domicílio. A sua presença também pode ser constatada na documentação processual e nas reivindicações pela igualdade, que já aparecem por volta de 1850, com as primeiras vozes feministas. Ao ser resgatada, a história da participação das mulheres na sociedade brasileira nos mostra que, apesar das diferenças de classe e etnias, elas souberam desde cedo organizar-se, em contextos quase sempre desfavoráveis, para reivindicar direitos e oportunidades.

 ENI MESQUITA SAMARA é professora de História na USP, diretora do Museu Paulista e autora dos livros As mulheres, o poder e a família. São Paulo: Marco Zero, 1989 e Família, mulheres e povoamento: São Paulo, século XVII. Bauru/SP: EDUSC, 2003

Fonte: Revista Nossa História – Ano 2 - nº 17 - março 2005

Saiba mais - Bibliografia

DIAS, Maria Odila Leite da Silva. Quotidiano e poder em São Paulo no século XIX. São Paulo: Brasiliense, 1995. NAZZARI, Muriel. O desaparecimento do dote: mulheres, famílias e mudança social em São Paulo, Brasil, 1600-1900. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

PERROT, Michelle. Os excluídos da História. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

Saiba Mais: Link

As perseguidas

Maria da Penha demora a sair do papel

Ficando para titia

Mulheres Invisíveis (2011)

O sexo a quem compete?

Pisando no "sexo frágil"

Ficando para titia

Tropas femininas em marcha

segunda-feira, 28 de dezembro de 2020

A mulher que virou mito

 A personagem Chica da Silva diz muito sobre a escravidão, o machismo e a desigualdade no Brasil

Fabiana Lima

               “Nem Santa Ifigênia, toda em festa acesa, brilha mais que a negra, na sua riqueza. Contemplai, branquinhas, na sua varanda, a Chica da Silva, a Chica-que-manda!”. Em ritmo de ciranda, entoam-se os versos de Cecília Meireles, embelezando o mito da escrava negra considerada a mais poderosa do século XVIII.

               As linhas poéticas deixam entrever alguns traços da personagem histórica mitificada: mulher que apostava na ostentação, tinha todos os desejos realizados por seu contratador e exibia personalidade autoritária. Uma trajetória marcada pelo signo da exceção. Francisca da Silva de Oliveira, de origem escrava, rompeu com o que era designado à sua condição. Desenredar esse mito é um grande desafio para professores e estudantes, em aulas de história e de literatura. 

               Discursos historiográficos, literários, cinematográficos e televisivos têm reforçado a versão de que, no decorrer do século XVIII, uma mulher negra escravizada ascendeu socialmente por meio do concubinato com um notável negociante de origem portuguesa. Por um lado, perde-se de vista quem foi a personagem de fato – a companheira não oficial de João Fernandes de Oliveira, fidalgo que havia arrematado o direito de explorar diamantes. Por outro, essas narrativas revelam as contradições, os interesses e as lacunas de uma história maior que a de Chica: a das relações raciais e de gênero no Brasil.

               Chica da Silva e o contratador dos diamantes: o outro lado do mito, estudo publicado pela historiadora Júnia Furtado em 2003, busca liberar a personagem dos estereótipos que lhe foram imputados no decorrer do tempo. Demonstra que Francisca da Silva aparece pela primeira vez como personagem histórica no livro Memórias do Distrito Diamantino (1868), de Joaquim Felício dos Santos, destacando-se por ser a única personagem feminina dessas memórias e por encarnar os estereótipos negativos da mulher negra e da escrava perversa e amedrontadora. Essa imagem se relaciona com o período histórico em que se consolidava, em Minas Gerais, o modelo de família monogâmica, unida pelo matrimônio, sob valores católicos. Faz sentido, portanto, o registro demonizado da união da escrava Francisca com o contratador João Fernandes. Era um discurso normativo, a favor da organização familiar de base cristã. Mulheres negras, escravizadas ou libertas, eram vistas como licenciosas e inadequadas para o estabelecimento de uniões estáveis. 

               A leitura da obra de Joaquim Felício dos Santos resultou em várias interpretações equivocadas. Entre elas a de que Chica mandava no arraial do Tejuco e no próprio João Fernandes. O contratador, por sua vez, foi concebido como um déspota que subjugava a elite local e desafiava as autoridades metropolitanas. Por esta versão, o poderoso Marquês de Pombal, ministro do rei D. José, teria incumbido o conde de Valadares, governador da capitania (1768-1773), de ordenar o retorno de João Fernandes ao reino, preso por irregularidades na exploração dos diamantes. Tendo voltado para Portugal, o ex-contratador morreria só em 1799. 

               Mas outros documentos jurídicos comprovam o falecimento de João Fernandes de Oliveira, então desembargador, em 1779.  Não só ele teria morrido 20 anos antes da data indicada na obra de Joaquim Felício dos Santos, como a causa provável do seu retorno teria sido bem diferente da punição de Pombal: uma disputa com a madrasta pelos bens de seu pai.

               Na década de 1940, a região de Diamantina passou por um processo de revitalização, por ser o local onde nasceu o político Juscelino Kubitschek (que entre 1940 e 1945 foi prefeito de Belo Horizonte). A casa de Chica da Silva foi tombada e alguns estudos sobre a cidade ressaltaram a imagem da ex-escrava sem muita preocupação documental. Destacou-se, nesse período, a versão de Soter Couto presente no livro Vultos e fatos de Diamantina (1954), na qual a ex-escrava é representada como redentora da própria raça, a partir de atitudes vingativas contra os reinóis portugueses.  

               A personagem mítica também é associada a um suposto processo de “branqueamento”, ideia inspirada em teorias como a do médico e antropólogo Nina Rodrigues (1862-1906). Várias abordagens imputam aos negros um desejo de se branquear. As versões que carregam a tinta no traço autoritário de Chica da Silva, por exemplo, supervalorizam um suposto desejo latente de embranquecer, ao mesmo tempo em que silenciam os conflitos raciais da trajetória de uma ex-escrava que ascendeu socialmente.

                A passagem do discurso historiográfico para o discurso ficcional foi importante para o desenvolvimento e a difusão do mito. Desde a menção nos cantos XIII (a) XIX do Romanceiro da Inconfidência (1953), de Cecília Meireles, até a telenovela Xica da Silva, produzida pela TV Manchete em 1996 e 1997, passando pelo balanço da Xica da Silva de Jorge Ben (1976), o mito se massificou. Alternam-se narrativas ora positivas, ora negativas sobre a personagem, mas a maioria das versões remonta – com algumas correções ou pequenas modificações – ao estudo de Joaquim Felício dos Santos. Seu sobrinho-neto, João Felício dos Santos, publicou em 1976 o romance Xica da Silva, que serviu de base tanto para o roteiro do filme de Cacá Diegues (do mesmo ano) quanto para o texto da telenovela, escrita por Walcyr Carrasco. O livro constrói a imagem de uma Chica sensualizada, ou seja, mulher negra cujos atributos sexuais conseguiram atrair o mais poderoso homem daquela região. O filme massificou a imagem de uma ex-escrava autoritária e gratuitamente perversa. A telenovela levou ao extremo a erotização e o descompromisso com a realidade histórica do século XVIII. 

               Júnia Furtado constatou que a trajetória de ascensão social de Chica da Silva, baseada no relacionamento não oficial com um homem branco da elite e no branqueamento cultural, não foi exceção entre as mulheres forras da região mineradora. De forma geral, as principais estratégias de ascensão social daquelas mulheres eram o concubinato, a prostituição, o apadrinhamento ou a ocultação (quando possível) do passado escravo. É importante refletir sobre como o tipo de sistema colonial português, baseado na mistura entre colonizador e colonizado, produziu a subjugação da mulher negra – escravizada ou liberta – ao homem branco. 

               Enquanto é descrita como lasciva e dominadora, opressora ou redentora dos negros escravizados,  esvai-se, nas brumas da imaginação, a Francisca que viveu no século XVIII. Esta ficou grávida pelo menos 13 vezes em 17 anos daquele relacionamento. Além disso, documentos de instituições de ensino atestam o cuidado de Francisca e João Fernandes com a educação formal dos filhos. Por outro lado, percebe-se a desigualdade daquele relacionamento, por exemplo, nas certidões de batismo dos filhos de Francisca, em que constam nomes de padrinhos pouco notáveis socialmente para a elite da época, ou em documentos importantes para dar destino à herança do ex-contratador, que omitem o nome de Francisca no intuito de apagar a ascendência africana dos filhos do casal. 

               Ao minimizar ou desconsiderar completamente a desigualdade hierárquica no relacionamento entre uma ex-escravizada e um negociante português, as narrativas ficcionais sobre Chica da Silva silenciam tensões raciais – que envolviam tanto a inserção da própria Francisca na elite mineira, quanto os prejuízos sociais vividos pelos filhos do casal.  

               É nessas brechas, inerentes às relações de poder coloniais e pós-coloniais no Brasil, que surgem as reconstruções míticas da personagem histórica Francisca da Silva de Oliveira. O trabalho pedagógico com as diferentes versões do mito, mais do que discriminar o real do fictício, precisa lidar com os silêncios e as sombras criados pelo poder da imaginação. Lidar com esses silêncios possibilita entender um pouco mais o longo processo de submissão do corpo da mulher negra aos desejos e preconceitos de uma elite masculina branca, reprodutora de relações hierárquicas de poder. Algumas persistentes ainda hoje.

Fabiana Lima é professora do Colégio Pedro II e autora de Literatura afro-brasileira (FFCH/UFBA, 2013).

Fonte: Revista de História da Biblioteca Nacional

Saiba mais - Bibliografia

BENTO, Maria Aparecida Silva. “Branqueamento e branquitude no Brasil”. In: CARONE, Iray & BENTO, Maria Aparecida Silva (orgs.). Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2007.

CHAUÍ, Marilena. Brasil: mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2000. 

FURTADO, Júnia Ferreira. Chica da Silva e o contratador dos diamantes. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

SANTOS, Boaventura de Sousa. “Entre Próspero e Caliban: colonialismo, pós-colonialismo e interidentidade”. In: ___. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 2008.

Saiba Mais – Link

Chica, a verdadeira

Ajoelhou, tem que rezar

O Brasil de todos os pecados

A Febre do ouro

terça-feira, 22 de dezembro de 2020

Último desejo

No leito de morte, Leopoldina recebeu a visita da amante de seu marido. Ainda assim, teve forças para atacá-la.

Mary del Priore

               Não houve festa no primeiro ano de aniversário do futuro D. Pedro II. Em vez disso, no dia 2 de dezembro de 1826, boletins médicos davam conta da grave situação em que se encontrava sua mãe, a imperatriz Leopoldina. No dia 3, eles anunciavam febre, evacuações biliosas, pouco sono, “tosse gutural teimosa”, “algum tremor de mãos” e “meteorismo” (acúmulo de gases). Na noite do dia 4, Leopoldina teve pesadelos e “assaltos espasmódicos”. Chamou os criados da família imperial e pediu-lhes perdão se estivessem ressentidos com algo que ela não soubesse. Na madrugada do dia 5, ela sofreu “treze evacuações biliosas com mau cheiro”. No sexto dia, Leopoldina começou a se desfazer em líquidos. No dia seguinte, resolveram os médicos aderir a outro tipo de medicação: cânfora, éter, vinho quinado e “vesicatórios na nuca”.

                Nesse dia, a Irmandade de Nossa Senhora da Glória organizou procissão e o esquadrão de cavalaria de Minas Gerais uniu-se aos moradores em preces, em Mata-Porcos. Chovia no Rio de Janeiro, e os súditos, com vestes ensopadas, choravam. No oitavo dia, Leopoldina começou a suspeitar dos remédios que lhe davam. Delirava, amaldiçoando a amante do marido. Atribuía-lhe poderes de feitiçaria negra. Reagia com gritos ao vê-la. Os sentimentos da submissa imperatriz, contidos por tanto tempo, explodiam. Foram anos em que dividira a cena com a paulista, escondendo sob uma capa de cordialidade o ódio e o desprezo que sentia.

                No dia 9, mencionou-se a expulsão dos restos de placenta. Piorava de hora em hora. Na tarde do dia 10, o capelão foi chamado para ministrar-lhe a extrema-unção. O barão de Mareschal, ministro diplomático da Áustria e um dos que podiam ficar no quarto da imperatriz, acrescentou que, “quando o Bispo começou a recitar a prece dos agonizantes, Sua majestade se encontrava em estado convulsivo, o abatimento aumentando a cada instante, o que somente lhe permitia gemer fracamente”.

               O boletim do 17º dia trouxe a notícia: “pela maior das desgraças se faz público, que a enfermidade de Sua majestade e a imperatriz resistiu a todas as diligências médicas empregadas com todo o cuidado por todos os médicos da imperial Câmara. Foi Deus Servido chamá-la a Si pelas dez horas e um quarto”. Nenhuma palavra oficial sobre o aborto de um feto do sexo masculino de três meses. 

                Não se sabe ao certo quando, acamada, Leopoldina ditou uma última carta endereçada à sua irmã mais velha, Louison. Traçou-a a marquesa de Aguiar, sua camareira. “Minha adorada mana, reduzida ao mais deplorável estado de saúde e chegada ao último ponto de minha vida no meio dos maiores sofrimentos, terei também a desgraça de não poder eu mesma explicar-vos todos aqueles sentimentos que há tanto tempo existiam em minha alma, minha mana. Não vos tornarei a ver! Não poderei outra vez repetir que vos amava, que vos adorava! Pois, já que não posso ter essa tão inocente satisfação, igual a outras muitas que permitidas me não são, ouvi o grito de uma vítima que vos reclama não vingança, mas piedade e socorro do fraternal afeto para inocentes filhos que órfãos vão ficar em poder de si mesmos ou das pessoas que foram os autores das minhas desgraças, reduzindo-me ao estado em que me acho”.

                Ela, que sempre fora resignada e muda, mergulhada numa tristeza que a deixava à beira da loucura, não tinha só a preocupação de alertar a família para os riscos que corriam os filhos – sua única fonte de alegria e razão política do casamento. Aos 29 anos, mãe de cinco filhos vivos, a moribunda acusava: “Há quase quatro anos, minha adorada mana, como vos tenho escrito, por amor de um monstro sedutor, me vejo reduzida ao estado da maior escravidão e totalmente esquecida do meu adorado Pedro. Ultimamente, acabou de dar-me a prova de seu total esquecimento a meu respeito maltratando-me na presença daquela mesma que é a causa de todas as minhas desgraças. Muito e muito tinha a dizer-vos, mas faltam-me forças para me lembrar de tão horroroso atentado que será sem dúvida a causa da minha morte”.

               Pela última vez confessava a solidão e o abandono a que fora relegada pelo marido e pela própria família. Se publicamente não reagira ao escândalo, usava a privacidade de uma carta para acusar o companheiro e sua amante. O lamento de Leopoldina registrava então sua luta por um amor unilateral, em que tudo virara armadilha. Nas últimas correspondências, dizia-se arrependida de ter casado.

               Contou Francisco Gomes da Silva, o Chalaça, que D. Pedro, seu amigo, sentiu o golpe. Apesar de atarefado em meio a mapas, tropas e projetos de campanha no sul do país, recebeu a notícia com “profunda mágoa”, “tremeu e arrancou os cabelos”. A comitiva que o acompanhava reuniu-se. Em sua correspondência, o Conselho de ministros foi mais específico. Depois de apresentar pêsames, confessava-se no dever de comunicar que a jovem imperatriz, em seus delírios, deixara perceber as causas de seu mal. Eram de ordem moral: desgostos e ressentimentos. A opinião pública também já tinha conhecimento desses fúnebres queixumes ditos no momento de sua despedida. Para piorar, os inimigos republicanos de D. Pedro aproveitaram para lançar uma campanha difamatória e retomar a cena política. No dia 4 de janeiro, a nau D. Pedro I largava de Santa Catarina, trazendo a bordo o viúvo. 

               Não se sabe o que deu na amante, Domitila, mas, no auge da crise, ela quis entrar na câmara da doente. “A concubina deu provas de imprudência e loucura”, registrou Mareschal. “Seus ares imperiais ao atravessar os cômodos, como se estivesse tomando posse, e o tom arrogante e escandaloso de seus lamentos fizeram com que a dama de companhia incumbida, segundo os costumes, de presidir a consulta dos médicos, não a recebesse”. Conseguiram barrar-lhe a passagem, mas Titília, por sua vez, impediu que a jovem mãe, em agonia, visse seus filhos. 

               A notícia correu sobre um rastilho de pólvora. A aparência do povo não era mais desordenada, curiosa, inquieta. Queria vingança contra aquela que era considerada a causa da morte da querida imperatriz. Circulava que a concubina se mancomunara com o cirurgião-mor para envenenar a imperatriz; que o verdadeiro príncipe tinha sido trocado pelo bastardo. Cartas anônimas agora eram endereçadas aos ministros. Estes reagiram, falando em afastar Titília da corte. Dois tiros foram disparados contra um dos cunhados da marquesa de Santos, o coronel Oliva. Em fúria, a multidão dirigiu-se a São Cristóvão. A casa da marquesa foi cercada e apedrejada. Chamaram-se reforços. Vieram patrulhas de cavalaria proteger os muros e as portas do palacete. 

                Por carta, a favorita não perdeu tempo em contar ao amante que fora destratada e barrada à entrada do quarto de Leopoldina. O imperador não perdeu tempo em consolá-la: “Minha querida filha de meu coração e minha amiga. (...) Eu tomo nojo [luto] por oito dias, e esta é a única razão que faz com que eu não vá logo. (...) Pedro I que é teu verdadeiro amigo saberá vingar-te de todas as afrontas que te fizeram ainda que sua vida lhe custe. É ao mesmo tempo com todo o gosto, e verdade que tenho o prazer de poder dizer com toda a franqueza e contentamento que sou o teu mesmo amante, filho e amigo fiel constante, desvelado, agradecido e verdadeiro, digo outra vez, amante fiel”.

               Se, por um lado, o povo culpava Domitila, por outro, santificava Leopoldina. Os jornais cobriam-na de adjetivos: virtuosa, bondosa, gentil. Enterrava-se a imagem da dona de convicções hereditárias: monarquia absoluta, autoridade real e obediência dos súditos eram princípios sacrossantos que a Habsburgo levou embora consigo. Do sobrado à senzala, do comércio ao zungu, onde se reuniam escravos, das ruas às estradas, o povo chorava. Silenciavam as ruas, sem os gritos das “vendeiras” e dos cativos prestadores de serviços, sem o peditório de mendigos e de irmãos de confrarias, sem o canto dos presos que carregavam água ou dos escravos carregadores de café.

               No curto espaço de tempo que foi de março de 1826 à sua morte, D. Leopoldina foi, além de imperatriz do Brasil, rainha de Portugal. Entre seu casamento e a Independência do Brasil, encontrou-se princesa do Reino Unido. Nenhum dos títulos lhe trouxe alegrias.

           Civilidade, educação, compostura, importados de uma das mais refinadas cortes europeias, iam-se para debaixo da terra com o corpo sofrido de Leopoldina. Certa maneira de ser, baseada na contenção dos sentimentos e no autocontrole em curso na vida burguesa que se forjava além-mar, consumia-se. Sob o sol dos trópicos, os hábitos eram outros. 

 Mary Del Priore é professora da Universidade Salgado de Oliveira e autora de A carne e o sangue (Rocco, 2012).

 Fonte: Revista de História da Biblioteca Nacional - Edição nº 107 - agosto de 2014

 Saiba mais - Bibliografia

LUSTOSA, Isabel. D. Pedro I, um herói sem nenhum caráter. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

REZZUTI, Paulo. Titília e o Demonão – Cartas inéditas de D. Pedro I à Marquesa de Santos. São Paulo: Geração Editorial, 2011.

 Saiba Mais: Link

Fidelidade, acima de tudo, à monarquia

Palavras de imperatriz

Retrato de um rei

Adeus, Europa

O Brasil do outro lado do espelho 

quarta-feira, 9 de dezembro de 2020

Palavras de imperatriz

Cartas de Leopoldina no Museu Imperial destacam sua importância como protagonista política

Déborah Araujo

                “Com a maior impaciência, esperei este momento em que me é permitido exprimir a Vossa Majestade todos os sentimentos que me invadiram quando o Imperador, meu Augusto Pai, me anunciou que Vossa Majestade me concedia a honra de pedir minha mão para o Príncipe do Brasil, seu querido filho”. Assim começa a carta escrita pela então arquiduquesa Leopoldina, do Império Austro-húngaro, ao seu futuro sogro, D. João VI, em 16 de abril de 1817. Esta é apenas uma das mais de 200 correspondências referentes à imperatriz, que hoje estão no acervo do Museu Imperial de Petrópolis, no Rio de Janeiro.

                Há mais de 50 arquivos e coleções no Museu Imperial com documentos que fazem referência à imperatriz, de acordo com Thais Martins Lepesteur, pesquisadora do setor de Arquivo Histórico. São cartas escritas por D. Leopoldina para parentes, clérigos, naturalistas, políticos, entre outras personalidades de sua época, bem como correspondências endereçadas a ela e a seu marido, D. Pedro I. Além desses manuscritos, a lista de itens do rico acervo inclui documentos oficiais de Estado, diários de viagens, cadernos de pesquisas em ciências naturais – tanto da imperatriz quanto de seu marido – e notas sobre aquisições de bens e sobre a herança da monarca. “Não foi elaborado um catálogo definitivo da documentação sobre D. Leopoldina, e sim uma listagem preliminar que ainda passará por revisão”, ressalta Thais. Ainda assim, a museóloga garante que a documentação tem sido frequentemente consultada ao longo dos 70 anos da instituição.

                Segundo Viviane Tessitore, mestre em História Social pela Universidade de São Paulo (USP), o estudo das cartas relacionadas à D. Leopoldina permitem a visualização de traços da personalidade da imperatriz, aspectos de seu cotidiano e da Corte em parte do período joanino e do Primeiro Reinado, bem como sua relação com o marido, familiares e amigos. “Podemos visualizar também algo do significado político de seu casamento com D. Pedro I e muito do seu protagonismo no cenário político da Independência e do primeiro Reinado”, ressalta a pesquisadora. Seus textos demonstram o grande carinho e parceria na relação com seu marido. 

                Em carta a Dom Pedro I, de 19 de agosto de 1822 (São Cristóvão, Rio de Janeiro), D. Leopoldina escreveu: “Meu querido e prezado esposo. Mesmo sendo privada de notícias suas, que é muito custoso a meu coração, acho meu dever e único meio de aliviar as minhas saudades escrever-lhe. (...) Chegou um navio de Nantes [França], que trouxe a notícia de que o exército francês forte de 1.000.000 de homens passou os Pirineus; que os austríacos e os prussianos são na Itália fortes de 2.000.000 de soldados, para fazer guerra à Península, e que o Marechal Beresford [militar inglês, comandante-chefe do exército português na luta contra os franceses] saiu da Inglaterra com 20 navios”.

               As palavras articuladas e as informações detalhadas redigidas pela imperatriz eram fruto da disciplinada e apurada educação que ela e os irmãos receberam na infância. Além do alemão, seu idioma materno, D. Leopoldina falava e escrevia em italiano e francês, “língua usada nas relações internacionais da época, ocupando o mesmo lugar hoje ocupado pelo inglês”, destaca Viviane Tessitore. Quanto ao português, “ela aprendeu por ocasião de seu casamento com D. Pedro, então Príncipe Herdeiro do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves”. “Também tinha conhecimentos de inglês”, ressalta a historiadora.

                Os conhecimentos da imperatriz eram valiosos para D. Pedro I e para a política externa e interna do Brasil. “Ela desempenhou papel importante na cena política da época, intermediando a vinda de colonos e soldados germânicos e servindo de intérprete na chegada dos mesmos, além de se empenhar junto ao pai, o imperador Francisco I, pelo reconhecimento da Independência e proclamação do Império do Brasil”, declara a pesquisadora Maria de Lourdes Viana Lyra, do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. A pesquisadora também chama a atenção para a importância documental das centenas de cartas escritas por D. Leopoldina encontradas em arquivos da Áustria e de Portugal, “por ressaltar o perfil de agente atuante e plenamente consciente do papel assumido com o casamento que lhe cabia desempenhar em prol do fortalecimento da forma de governo monárquica instalada no Novo Mundo desde 1808”.  

                 Entre as cartas do acervo do Museu Imperial de Petrópolis, destacam-se muitas notas de condolências enviadas ao imperador em decorrência da enfermidade, e posterior falecimento, de D. Leopoldina, após sofrer o aborto de sua nova gravidez, em dezembro de 1826. Um número imensurável de pessoas lamentou a morte da primeira imperatriz do Brasil, “que morreu no exercício do cargo de Regente do Império e cujo papel de protagonista no contexto das relações e dos interesses estabelecidos em prol da consolidação do Brasil monárquico e imperial era então reconhecido e pranteado”, argumenta Maria de Lourdes. Para ela, isso mostra a necessidade de “urgente revisão do perfil da D. Leopoldina, usualmente retratada como personagem secundária e sem a devida importância em muitos trabalhos historiográficos”. 

 Fonte: Revista de História da Biblioteca Nacional - Edição nº 107 - agosto de 2014

Saiba Mais: Link

Fidelidade, acima de tudo, à monarquia

Retrato de um rei

Adeus, Europa

O Brasil do outro lado do espelho

quinta-feira, 3 de dezembro de 2020

Fidelidade, acima de tudo, à monarquia

Leopoldina passou por sacrifícios para conservar o poder e teve papel fundamental na Independência

Andréa Slemian

               Ainda hoje predomina no senso comum uma visão de D. Leopoldina como esposa dedicada a D. Pedro, que teria sofrido por não ser correspondida, constantemente traída pelo jovem imperador, obscurecida pela marquesa de Santos. Ao mesmo tempo, ela é vista como uma das principais responsáveis pela Independência, que teria apoiado o movimento devido ao amor que nutria pelo Brasil e por seus habitantes. Como se poderia explicar o papel de esposa abnegada a partir do afinco com que a imperatriz atuou politicamente nos idos de 1822 no Rio de Janeiro?    

               Sob o título de arquiduquesa, D. Carolina Josefa Leopoldina nasceu em 1797, filha de Francisco II e de D. Maria Teresa, da casa de Habsburgo, uma das mais tradicionais da Europa. Destacavam-se pela defesa do ideal monárquico absolutista, contra a Revolução Francesa de 1789 e a ascensão de Napoleão Bonaparte – fantasmas permanentes que aterrorizavam a ordem conservadora.

           A jovem Leopoldina, educada com esmero no ambiente ilustrado da Corte de Viena, demonstrava compreender o lugar que lhe fora destinado. Princesas como ela desempenhavam um papel importante na política de casamentos entre as famílias reais, o que assegurava acordos e pactos de alianças entre os Estados e a própria reprodução monárquica. O destino dos jovens príncipes e princesas já estava traçado desde muito cedo em função dos acertos políticos. A arquiduquesa sabia muito bem disso e, na época, esperava que chegasse a sua vez.  

           Antes de Leopoldina completar 19 anos, idade já considerada tardia para os matrimônios das princesas, o imperador Francisco escolhera para seu cônjuge o herdeiro da Coroa portuguesa que, junto com toda a Corte, cruzara os mares em 1807 e 1808, instalando-se no Rio de Janeiro. A escolha não foi por acaso: a Coroa portuguesa também era afeita aos ideais monárquicos absolutistas defendidos pelo governo da Áustria.

           Ainda que Leopoldina pudesse alimentar a expectativa de amar seu futuro esposo, a vontade de cumprir seu papel político de princesa acabaria falando alto. Ambos os sentimentos eram faces da mesma moeda. Ela sabia que, ficando solteira, continuaria a viver na Corte de Viena, e nunca sairia de sua condição de arquiduquesa. Na América, poderia vir a se tornar rainha, sonho de qualquer uma da sua condição. Foi por isso que mais tarde, já no novo continente, escreveria: “por mais difícil que seja a separação de minha família, meu destino é o Brasil e o cumprirei com prazer o mais rápido possível”. Como alento para a grande viagem que a esperava, havia a promessa de que a família real portuguesa ainda regressaria à Europa.

           Logo após a sua chegada em 1817, no entanto, as condições lhe pareceram muito adversas e a vida na nova terra, decepcionante. O clima, a dificuldade em encontrar livros e entretenimentos que fossem comparáveis aos teatros, concertos e saraus vienenses, aliados à dificuldade em achar interlocutores à altura de sua cultura, além de um desapontamento em relação a algumas pessoas da família real, seriam frequentemente notados por ela.

           Leopoldina logo encarou uma de suas obrigações como princesa: a de ter filhos, e assim servir como prolongadora da dinastia. Já em meados de 1818 ela engravidou da primeira filha, Maria da Glória, que nasceu no ano seguinte. Depois, vieram mais cinco rebentos, praticamente um por ano: D. João Carlos, o príncipe da Beira, em 1821 (morto no ano seguinte); D. Januária, em 1822; D. Paula Mariana, em 1823; D. Francisca Carolina, em 1824; e D. Pedro (futuro D. Pedro II do Brasil), em 1825.

           A atuação política de Leopoldina ganhou mais importância na Corte portuguesa no início da década de 1820. Isto porque ela tinha clareza analítica da realidade e consciência de sua obrigação em defender os interesses da Áustria e dos Habsburgo diante do futuro da América. Era parte de suas funções tecer relações políticas, o que muitas vezes fazia de forma bem ostensiva. No melhor sentido do termo, Leopoldina também foi estadista.

           O momento político era conturbado e favorecia a sua participação nos negócios da Corte. Em agosto de 1820, um movimento na cidade do Porto, em Portugal, adquiriu forma revolucionária e voltou-se contra a monarquia absolutista. No começo de 1821, instalou-se uma assembleia de eleição popular – chamada de Cortes – que iniciou seus trabalhos com o principal intuito de elaborar uma Constituição em moldes liberais. Contestava-se a permanência do monarca na América, exigindo sua volta e o fim do destaque dado ao Brasil no conjunto da política imperial. As Cortes tiveram ampla adesão no Império, forçando D. João VI, que se encontrava no Rio de Janeiro, a reconhecer o movimento constitucional em fevereiro de 1821. 

           Leopoldina reagiu a esses acontecimentos com extrema preocupação. Era claro que sua ação política sempre se voltou para manter a fidelidade à tradicional legitimidade monárquica, tão bem representada pelos Habsburgo na Europa, e que rejeitava qualquer tipo de movimento constitucional. O que mais a preocupava era o comportamento do marido que, na sua visão, simpatizava demais com as exigências liberais dos revolucionários. 

           A adesão às Cortes gerou um clima de instabilidade na cidade, principalmente por causa da falta de acordo acerca da residência real. Naqueles dias também se cogitava que o príncipe D. Pedro pudesse ir para a Europa, permanecendo o monarca no Rio de Janeiro. Leopoldina, que se encontrava em vias de ter seu segundo filho, fez manobras para que ela e o marido pudessem voltar ao velho continente. Chegou mesmo a escrever para o pai pedindo que intercedesse neste sentido. No entanto, em abril de 1821, D. João VI e sua esposa partiram para Lisboa, deixando D. Pedro como Regente no Brasil.

           A partida do rei reforçou as disputas entre os grupos que lutavam por maior espaço de poder na Corte, e que chegaram a causar violentos distúrbios urbanos. A princesa, que se encontrava no olho deste furacão, mesmo considerando arriscadíssima a medida de continuar na América por tempo indeterminado, concebeu que poderia ser esta a solução em nome da ordem monárquica no novo continente.  Dessa forma, desde meados de 1821, a princesa via como positiva a permanência de seu esposo no Brasil, demonstrando que, como conservadora que era, não abandonaria a defesa da legitimidade dinástica. 

           A princesa, que temia profundamente qualquer alteração radical na ordem política, foi partidária da Independência do Brasil, desde que ela não cedesse aos excessos liberais. Por isso, aproximou-se de José Bonifácio de Andrada e Silva e de grupos afeitos a ele que, em 1822, atuavam contra as Cortes e qualquer tipo de sublevação social. Foi quando apoiou a permanência do príncipe no Brasil – simbolizado no dia do “Fico” – passando a defender também a Independência, antes mesmo do marido. 

           Do ponto de vista de Leopoldina, a separação de Portugal teve outra incontestável vantagem: a conservação da monarquia. Com o desejo de “afastar o espírito popular das ideias republicanas”, chegou a considerar-se vitoriosa ao se tornar imperatriz do Brasil. Nessa condição, realizou mais uma de suas atribuições políticas: intercedeu diplomaticamente junto ao pai, em 1823, para que a Áustria aceitasse o Brasil como Estado independente e assumisse o papel de seu aliado. 

           É fato que a satisfação que demonstrou nos idos de 1822 nem sempre a acompanhou nos anos seguintes, já que a Independência, encabeçada pelo Centro-Sul do país, também gerou violentas respostas de outras províncias. Apesar disso e da constante reclamação pela falta de interlocutores na cidade, a imperatriz se manteve atenta à movimentação política até seus últimos dias de vida, no ano de 1826. Mesmo afirmando ser o Brasil seu lugar, não deixou de confessar ser um “sacrifício” viver na América, o que nos faz pensar que a tarefa de cumprir os desígnios de sua dinastia seria a única arma capaz de neutralizar o peso do seu sofrimento.

 

Andréa Slemian é professora da Universidade Federal de São Paulo e autora de Sob o império das leis: constituição e unidade nacional na formação do Brasil (1822-1834), (Hucitec, 2009).

 Fonte: Revista de História da Biblioteca Nacional - Edição nº 107 - agosto de 2014

 Saiba Mais: Bibliografia

BOJADSEN, Angel (coord.). D. Leopoldina. Cartas de uma imperatriz. São Paulo: Estação Liberdade, 2006.

JANCSÓ, I. Independência: História e Historiografia. Vol. 1. São Paulo: Hucitec/ Fapesp, 2005. 

LACOMBE, Américo Jacobina (trad.). Correspondência entre Maria Graham e a Imperatriz Dona Leopoldina. Belo Horizonte: Editora Itatiaia, 1997.

 Saiba Mais: Links

Retrato de um rei

Adeus, Europa

O Brasil do outro lado do espelho

quarta-feira, 25 de novembro de 2020

Ninguém enfrenta o coronel

Incentivados pela Coroa e bem relacionados com a justiça, potentados impunham seu poder nas Minas Gerais com escravos armados.

ANA PAULA PEREIRA COSTA

               Mais de cem escravos arrombaram portas e janelas e invadiram a casa do padre José de Soveral de Miranda, vigário da igreja da freguesia de São Sebastião (atual cidade de Mariana). Segundo seu relato à justiça, depois de matarem “um preto por nome Jereasio a facadas, roubaram 300 oitavas de ouro e várias roupas de seu uso”. Deram-lhe ainda “uma estocada e um tiro que não resultou em morte”. O grupo de escravos pertencia ao coronel Maximiliano de Oliveira Leite e a seu cunhado Caetano Álvares Rodrigues, dois dos homens mais poderosos da localidade. O episódio aconteceu em março de 1726, e ilustra uma prática que se tornou comum na capitania de Minas Gerais durante as primeiras décadas de sua ocupação: o armamento de escravos por parte dos potentados locais, o que lhes proporcionava respeito e vantagens, enquanto fazia aumentar casos de violência e de abusos. 

               A corrida para o território mineiro em busca do metal dourado, sob poderes ainda fragilmente constituídos, criou na região uma atmosfera de tensão, marcada por disputas violentas e crimes de todo tipo praticados por homens e mulheres, livres e escravos, pobres e ricos. Em meio a esse turbulento cenário e preocupados em manter seu poder e autoridade, os poderosos se vigiavam e se atacavam mutuamente, ajudados por tropas de escravos munidos de armas até os dentes.

               As autoridades coloniais acompanhavam a situação com desconfiança. Sabiam que ambos, potentados e escravos, eram úteis para os propósitos de colonização da Coroa portuguesa, ajudando em tarefas de manutenção da ordem, exploração e expansão do território. Por outro lado, percebiam que esses braços armados levavam os poderosos a praticar insolências e audácias. Conter tais atrevimentos era uma questão extremamente delicada. Era preciso encontrar a medida do “bater e soprar” ao lidar com essas figuras: entre perseguir e punir, ou deixar passar.

               Os potentados eram grandes proprietários de terra e de escravos que muitas vezes agiam de forma bastante autônoma em relação à metrópole. Dirigiram-se para Minas Gerais no início do século XVIII para descobrir ouro, e foram conseguindo obter ou ampliar ganhos econômicos e poder de mando. A Coroa portuguesa incentivava a conquista dos sertões com promessas de títulos de nobreza e mercês régias, como cargos públicos. A estas honrarias os potentados adicionavam temor e respeito por meio do comando de escravos armados, em demonstração de força e afirmação pessoal. Assim oscilavam entre colaborar com as políticas coloniais e praticar atos independentes e ilegais – facilitando os descaminhos do ouro, incitando motins, encabeçando violências.

               Um dos mais conhecidos potentados foi Manuel Nunes Viana, líder dos portugueses na Guerra dos Emboabas, ocorrida em Minas Gerais entre 1708 e 1709.  Nascido em Portugal, foi para a capitania mineira tentar a sorte como tantos homens de sua terra. Enriqueceu como comerciante de mantimentos, negociante de gado, fazendeiro e contrabandista de ouro. Fama, riqueza e poder eram sustentados também por uma milícia de escravos armados, que o ajudava a manter a ordem, proteger territórios e expandir seu domínio entre a Bahia e Minas Gerais.

               Mesmo tendo liderado um conflito que desafiou os representantes da Coroa na região, Nunes Viana ganhou mercês de Sua Majestade por prestar serviços ao rei. Recebeu o título de capitão-mor do São Francisco e o de cavaleiro da Ordem de Cristo. Sua sorte só começaria a mudar em 1717, quando Pedro Miguel de Almeida Portugal e Vasconcelos, o conde de Assumar, chegou para governar a capitania. Ele lançou uma severa perseguição aos potentados que ameaçavam sua autoridade na região, principalmente contra Nunes Viana.

               Na Freguesia de São Sebastião, os coronéis Maximiliano de Oliveira Leite e Caetano Álvares Rodrigues também faziam valer sua autoridade, ora contribuindo com a metrópole na manutenção da ordem pública, ora exercendo pela força uma dominação privada. A invasão de seus escravos à casa do padre José de Soveral de Miranda foi exemplo disso.

               Maximiliano era membro de uma das principais famílias de São Paulo – neto do famoso bandeirante e governador das esmeraldas, Fernão Dias Paes Leme, e sobrinho de Garcia Rodrigues Paes Leme, guarda-mor das Minas e responsável pela abertura do Caminho Novo que encurtou a distância entre o porto do Rio de Janeiro e a região do ouro. Assim como seu avô e seu tio, seguiu para a capitania mineira desbravando matas fechadas, trilhas indígenas pouco conhecidas e conquistando terras para a Coroa portuguesa. Tudo em nome do enriquecimento imediato. Esteve entre os primeiros povoadores de Minas Gerais, fixando-se na freguesia de São Sebastião.

               Já o coronel Caetano Álvares Rodrigues nasceu em Lisboa e iniciou-se na carreira militar muito jovem, embarcando para a Índia no posto de soldado. Depois de ter aí servido por seis anos, destacando-se em várias batalhas de mar e terra, foi para a América portuguesa com aproximadamente 23 anos, em 1710. Na capitania mineira realizou uma série de ações na defesa dos interesses de Sua Majestade, o que lhe traria muitas recompensas, como a patente de coronel das ordenanças (1721) e os títulos de cavaleiro da Ordem de Cristo (1731) e de cavaleiro fidalgo da Casa Real (1746).

               As vidas dos dois coronéis se entrelaçaram em 1716, quando Caetano se casou com a irmã de Maximiliano, Dona Francisca Pais de Oliveira. Tornados vizinhos na freguesia de São Sebastião, passaram a estabelecer seus negócios juntos, atuando com mineração e agricultura. Com todos os seus cargos, títulos, atribuições e considerável riqueza, eram considerados os detentores do maior poder de mando na região da Vila do Carmo, que se tornaria cidade de Mariana em 1745.

               Além de respeitados, eram muito temidos. Valiam-se de escravos armados para formar grupos de capangas que utilizavam a fim de resolver pendências pessoais. Naquele contexto, valentia, crueldade e virilidade eram suportes para a credibilidade. Em diversas circunstâncias procuravam se caracterizar pela agressividade de caráter e por constantes demonstrações de brio em público. Eram claros recados para quem ousasse contrariar suas pretensões.

               Não foi à toa que o padre Soveral passou por momentos angustiantes a mando dos dois coronéis. O desafeto entre eles começou porque o sacerdote não quis atender a uma mulher “que Maximiliano lhe foi pedir confessasse, o que o padre repugnou por saber que andava o sobredito amancebado com ela”. Ao negar à concubina de Maximiliano o direito à confissão, o padre ofendia também o potentado, pois descumprir seu pedido era colocar em questão sua autoridade diante da comunidade.

               Isso o coronel não podia deixar passar. Precisava impor limites sobre a população e evitar possíveis transtornos que pudessem atrapalhar sua autoafirmação e a manutenção de sua integridade pessoal. A violência era a melhor resposta. Ela atestava a valentia e resguardava o “território” de domínio dos potentados, garantindo prestígio, poder local e a posse de mando. Junto com seu cunhado Caetano Álvares

Rodrigues, o coronel Maximiliano ordenou a violenta invasão de escravos armados à casa do vigário.

               O caso foi parar em um tribunal, gerando a abertura de um processo. Mas Maximiliano era muito bem relacionado, inclusive com o juiz ordinário responsável pelo pleito, Belchior da Costa Soares. A sentença foi a condenação de apenas 12 escravos à prisão, “daquele grande número que cometeu as referidas insolências, e isso por amizade de ambos e para tapar a boca ao mundo”, como se queixou o padre Soveral.                 

               Assim se pautavam as relações de dominação e os valores culturais nos tempos iniciais de formação de Minas Gerais. Era um cenário marcado pela violência e por conflitos entre interesses do poder público e do poder privado. Mandavam os que tinham terras e escravos armados. Obedeciam os que tinham juízo.

 ANA PAULA PEREIRA COSTA É PROFESSORA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI E AUTORA DE CORPOS DE ORDENANÇAS E CHEFIAS MILITARES EM MINAS COLONIAL: VILA RICA, 1735-1777 (EDITORA FGV, 2014).

 Fonte: REVISTA DE HISTÓRIA DA BIBLIOTECA NACIONAL - ano 11 - nº 124 - junho 2016

 Saiba Mais: Bibliografia

ALMEIDA, Carla Maria Carvalho de. “Uma nobreza da terra com projeto imperial: Maximiliano de Oliveira Leite e seus aparentados”. In: FRAGOSO, João Luís Ribeiro; ALMEIDA, Carla Maria Carvalho de & SAMPAIO, Antônio Carlos Jucá de (orgs.). Conquistadores e negociantes: histórias de elites no Antigo Regime nos trópicos. América Lusa, séculos XVI a XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

PAIVA, Eduardo França. “De corpo fechado: o gênero masculino, milícias e trânsito de culturas entre a África dos mandingas e as Minas Gerais da América, no início do século XVIII”. In: LIBBY, Douglas Cole & FURTADO, Júnia F. (orgs.). Trabalho livre, trabalho escravo. Brasil e Europa, séculos XVIII e XIX. São Paulo: Annablume, 2006.

SILVA, Célia Nonata da. Territórios de mando. Banditismo em Minas Gerais – século XVIII. Belo Horizonte: Crisálida, 2007.

 Saiba Mais: Link

A Febre do ouro

Chica, a verdadeira