“Aquele que não conhece a verdade é simplesmente um ignorante, mas aquele que a conhece e diz que é mentira, este é um criminoso”. (Bertolt Brecht)

terça-feira, 25 de março de 2014

50 anos após o golpe que abalou o Brasil.

     Sobre A Marcha da Família com Deus pela Liberdade, ocorrida em São Paulo em 19 de março de 1964 a Folha apresentou a seguinte manchete: “São Paulo parou ontem para defender o regime”. Já O Estado de S. Paulo dizia em 20 de março: “Meio milhão de paulistanos e paulistas manifestaram ontem em São Paulo, no nome de Deus e em prol da liberdade, seu repúdio ao comunismo e à ditadura e seu apego à lei e à democracia”.
     Assim iniciou a manhã do dia 31 de março de 1964. O Jornal do Brasil e o Correio da Manhã pediam a deposição de João Goulart. O presidente do Senado, Auro de Moura Andrade, divulgou manifesto rompendo com o governo e incitando as Forças Armadas a restabelecer a ordem no país.
     Nas primeiras horas do dia 1º de abril, diversos comandos militares declararam apoio ao movimento de deposição do presidente. Quando amanheceu, o editorial do jornal Correio da Manhã era “Fora”.
     50 anos depois várias são as matérias sobre o golpe, dos mesmo jornais que apoiaram o golpe civil-militar; cuidado: “Se você não for cuidadoso, os jornais farão você odiar as pessoas que estão oprimidas, e amar as pessoas que estão oprimindo” (Malcolm X)
Nossos Inimigos (Canto Geral)
Pablo Neruda
Por estes mortos, nossos mortos, peço castigo.
Para os que salpicaram a pátria de sangue, peço castigo.
Para o verdugo que ordenou esta morte, peço castigo.
Para o traidor que ascendeu sobre o crime, peço castigo.
Para o que deu a ordem de agonia, peço castigo.
Para os que defenderam este crime, peço castigo.
Não quero que me deem a mão empapada de nosso sangue. Peço castigo.
Não vos quero como embaixadores, tampouco em casa tranquilos,
quero ver-vos aqui julgados, nesta praça, neste lugar.
Quero castigo.

     Abaixo várias reportagens sobre a ditadura civil militar no Brasil. E mais dois artigos abordando as ditaduras: chilena e Argentina.

Guerrilheiros na primeira viagem
Treinados em Cuba e com apoio de Brizola, ex-militares prepararam-se para inaugurar a luta armada em Caparaó. Ficaram no sonho.

Especial: O Golpe de 1964
Não à guerra civil
Sem resistir ao golpe, João Goulart partiu para o exílio e evitou uma luta sangrenta entre reformistas e golpistas.

Especial: O Golpe de 1964
A salvação da pátria
Para os jornais paulistanos, o golpe militar foi a defesa da lei e da ordem 

Especial: O Golpe de 1964
O sol sem peneira
O apoio da sociedade civil foi fundamental para a longa vida da ditadura militar no Brasil 

Músicas e Vídeo: retratando a ditadura militar no Brasil

Especial: Ditadura Militar 1964-1985 / Filmes

Ditadura Argentina
Onde estão os filhos da ‘subversão’?
O roubo de bebês durante os governos autoritários é um drama para famílias espanholas e argentinas até hoje.

Ditadura Chilena
Sem razão e com força
Fantasma da ditadura de Pinochet continua a povoar o imaginário do Chile 40 anos depois do golpe.

Nenhum comentário:

Postar um comentário