“Aquele que não conhece a verdade é simplesmente um ignorante, mas aquele que a conhece e diz que é mentira, este é um criminoso”. (Bertolt Brecht)

sábado, 6 de julho de 2013

Revolta de longa data

Separadas por mais de dois séculos, as manifestações que tomam as ruas do Brasil, hoje, têm semelhança com as que ocorreram durante o Antigo Regime.
     Para historiadores e cientistas sociais, os eventos que vêm ocorrendo no Brasil nos últimos dias funcionam como uma espécie de laboratório no qual várias teorias são testadas para explicar os acontecimentos. Aos historiadores esse é um desafio ainda maior, já que por estarem mais habituados a refletir sobre o tempo longínquo, a “História do Tempo Presente” se torna mais difícil. É mais fugidia, como há muito advertiu Fernand Braudel. Nem por isso deve se furtar da tarefa de fazê-la.
     Aos que conhecem um pouco mais de perto a história dos protestos populares, os acontecimentos recentes podem parecer surpreendentes por sua semelhança com o que se passou há dois ou três séculos no continente europeu e também nas colônias na América. Vários pontos em comum poderiam ser apontados, três se apresentam de maneira muito explícita: o aumento de preços de serviços, o discurso repressor das autoridades e a veiculação de boatos de diferentes tipos.
     No momento, já se tornou evidente que as manifestações não eram apenas pelo aumento de 20 centavos na passagem de ônibus em algumas capitais. Porém, quando se argumentou que os manifestantes protestavam por um valor que parecia irrisório, isso não era só uma maneira de desmerecê-los, mas também era uma forma de reduzir as reivindicações das pessoas na rua a apenas uma única causa. Essa era uma impressão muito parecida com a que se tinha dos protestos dos séculos XVII e XVIII. Neste período, dizia-se que bastava apenas uma má colheita provocar uma alta repentina dos preços para que as pessoas ganhassem as ruas e protestassem contra o aumento do preço dos alimentos, como as que aconteceram na França e Inglaterra nas primeiras décadas do século XVIII.
     Como os acontecimentos recentes revelaram, o aumento do preço das passagens serviu apenas como um estopim. No Antigo Regime não era muito diferente: quando estourava um protesto, além dos moradores das Vilas se rebelarem contra medidas que causassem o aumento dos custos de vida, eles aproveitavam-se ainda para mostrar toda a sua insatisfação com relação à arbitrariedade de autoridades; ganância de comerciantes; falta de cuidado na administração dos bens da comunidade, entre várias outras queixas. Tanto em uma, quanto em outra época, a questão fiscal desempenhava o papel de catalisar os mais diversos tipos de tensões que estavam latentes na sociedade.
     Outra semelhança está no discurso dos governantes. Quando se iniciaram as primeiras manifestações recentes, os discursos dos políticos foram taxativos em classificar os manifestantes como “vândalos”, sempre com respaldo da grande imprensa. Não era muito diferente dos protestos da América portuguesa, por exemplo, em que as autoridades classificavam os rebeldes de bárbaros, principalmente quando havia o envolvimento de negros e índios. Ou seja, parece o mesmo discurso. Seria uma mera coincidência? Afinal, o que aqueles que representavam o poder constituído pretendiam – no passado – conseguir com isso? Classificar as populações de bárbaros ou vândalos não era apenas recurso de retórica. Isso servia para endossar uma repressão violenta seja aos rebeldes do século XVIII, seja aos manifestantes do século XXI.
     No mês passado, a opinião dos governantes só começou a mudar quando jornalistas dos grandes meios de comunicação foram alvos da repressão policial. A maneira como a mídia cobria os eventos – inicialmente condenando, mas depois apoiando os de ordem “pacífica” – foi decisiva para essa mudança de percepção. Àqueles que acompanharam os protestos pela internet ou pela televisão facilmente se deram conta das dificuldades para se obter informação segura. Haviam muitas notícias desencontradas, algumas delas veiculadas e rapidamente corrigidas, outras falsas intencionalmente disseminadas com o objetivo de criar um clima de pânico na população.
     No Antigo Regime, um dos acontecimentos que talvez melhor exemplifique esse ambiente, certamente tenha sido na Revolução Francesa, durante os meses de julho e agosto, de 1789, momento que ficou conhecido de “O Grande Medo”, sobre o qual Lucien Febvre escreveu uma obra clássica. Na França, os camponeses receosos que a extinção dos direitos feudais pudesse resultar numa exploração ainda maior dos seus trabalhos, saquearam propriedades, castelos e igrejas, espalhando o pânico entre a população. Nesse período as comunicações eram difíceis e a escassez de informações facilitava a disseminação de boatos. Tanto no Antigo Regime quanto nos dias atuais percebemos uma grande proliferação de rumores. A diferença é que antes eles surgiam em razão da escassez de informações, ao passo que agora são ocasionados pelo excesso.
     Apesar dessas características comuns não se pode dizer que o movimento que ainda ganha as ruas do Brasil não seja um fato novo. Ao historiador que se arrisca a escrever a História “no calor do acontecimento” é preciso muita cautela. Os protestos populares guardam a característica de serem imediatos, suas demandas precisam ser atendidas rapidamente, sob o risco de se perder o controle da situação e, nesse aspecto, é possível considerar que os protestos que aconteceram até então foram bem sucedidos, pelo menos em seus objetivos iniciais. As passagens não foram apenas reduzidas como desencadeou um verdadeiro processo de redução das tarifas nas principais capitais do país. É certo que as reivindicações não se reduziam somente a isso e demandas importantes da sociedade brasileira ainda precisam ser alcançadas. Os desdobramentos dos protestos ainda não são conhecidos e somente as rupturas que forem feitas irão dizer se se esta diante de um protesto incomum.

Gefferson Ramos Rodrigues é mestre em História pela UFF.

Saiba Mais – Links

Nenhum comentário:

Postar um comentário