“Aquele que não conhece a verdade é simplesmente um ignorante, mas aquele que a conhece e diz que é mentira, este é um criminoso”. (Bertolt Brecht)

sábado, 5 de julho de 2014

Presidentes da 1ª República - Prudente de Moraes - Campos Salles

Um caipira no palácio
Tido como reservado e sovina, Prudente de Moraes não era um presidente popular, até que um fracassado atentado contra sua vida o fez cair nas graças da população.
Jonas Soares de Souza
      "Meu Deus! Meu Deus! É um horror", murmurou o marechal Carlos Machado Bittencourt (1840-1897) ao ser conduzido à sala de espera do Arsenal de Guerra pelo comandante Edmundo Bittencourt e o alferes Gonçalves. O presidente da República, muito emocionado, também o acompanhou. Momentos depois morria o marechal, ministro da Guerra do governo Prudente de Moraes (1894-1898). A notícia se espalhou como pólvora, bandeiras de todos os jornais foram postas a meio pau e em pouco tempo uma multidão se aglomerava nas ruas da capital federal.
     A intenção do assassino, o soldado do 10° Batalhão de Infantaria Marcelino Bispo de Melo (1878-1898), era matar o presidente. No dia 5 de novembro de 1897, Prudente de Moraes estava no arsenal para recepcionar o general Silva Barbosa e dois batalhões da coluna que lutara em Canudos e chegava ao Rio de Janeiro a bordo do navio Espírito Santo. Um grupo de inimigos políticos e conspiradores instigava a multidão a provocar o presidente. Nesse momento, Marcelino Bispo surgiu à sua frente e disparou. Num movimento instintivo, Prudente desviou-se do tiro. O marechal Bittencourt derrubou o agressor, mas ele tinha uma faca e golpeou o ministro.
     O assassino foi recolhido a uma das celas das proximidades prometendo fazer graves declarações. O inquérito aberto pelo primeiro delegado auxiliar, Vicente Neiva, arrolou entre os suspeitos militantes oposicionistas que atacavam o presidente pelos jornais. Marcelino Bispo, após alguns dias de interrogatório, apareceu morto, pendurado em um pedaço de lençol preso à grade da cela.
     O atentado vinha sendo tramado há um bom tempo. Logo após a Proclamação da República, civis e militares de forte orientação nacionalista formaram um movimento conhecido como jacobinismo, em alusão aos radicais da Revolução Francesa. Ao assumir a Presidência, o marechal Floriano Peixoto (1839-1895) tratou de capitalizar as esperanças desse movimento. Já Prudente de Moraes era visto como o sabotador da obra nacionalista do antecessor. A primeira ideia dos assassinos era alugar uma casa no Catete, de onde o presidente seria alvejado quando passasse pelas ruas do bairro. A segunda, como conta a historiadora Isabel Lustosa, era posicionar "um certeiro atirador no morro mais próximo para atirar no presidente quando se postasse - como fazia todas as manhãs - à janela do palacete presidencial, para, enrolando o seu prosaico cigarro de palha, ler o jornal do dia". O plano acabou nas mãos do fanático Marcelino Bispo. O atentado que matou o ministro da Guerra devolveu ao presidente a popularidade perdida, o apoio de parte da imprensa e de parlamentares que passaram a cobrar medidas enérgicas contra a oposição. Prudente obteve do Congresso o estado de sítio.
     Nada mal para um presidente cuja posse, em 15 de novembro de 1894, não tinha sequer uma cerimónia de transmissão de cargo preparada. O Palácio do Itamaraty, então sede do governo, estava quase vazio. Na ausência de Floriano, o ministro da Justiça e Negócios do Interior, Alexandre Cassiano do Nascimento (1859 -1912), transmitiu o cargo a Prudente de Moraes sem solenidades.  O novo presidente recebia como herança um país combalido pela crise financeira, irritado com o alto custo de vida provocado pela política econômica do início da República, convulsionado pela Revolução Federalista e pela Revolta da Armada, e ameaçado pela ideia do retorno à monarquia. A estrutura agrária, que condenava à miséria a maioria da população rural, e a situação no arraial de Canudos, no sertão da Bahia, agravavam ainda mais as dificuldades da sua gestão. Politicamente o mandato de Prudente de Moraes também enfrentava dificuldades. A parcela do Partido Republicano Federal vinculada aos florianistas e chefiada pelo ex-ministro Francisco Glicério (1846-1916) abandonara o presidente. Além disso, no Congresso a bancada paulista se dividiu. Os estados menores não aceitavam pacificamente o domínio de São Paulo sobre o governo federal. As camadas urbanas e algumas facções militares, especialmente aquelas ligadas ao florianismo, se opunham ao seu governo. A tensão culminou com o atentado.
     Prudente José de Moraes Barros nasceu num sítio perto de Itu, São Paulo, a 4 de outubro de 1841. Aprendeu as primeiras letras com a mãe, Catarina Maria de Moraes, viúva de José Marcelino de Barros. O pai, lavrador e tropeiro, morrera assassinado quando o menino Prudente mal tinha completado três anos de vida. Ajudado pelo padrinho Antônio José da Silva Gordo, lavrador e comerciante, Prudente continuou os estudos, mudou-se para São Paulo e entrou na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco. Estudante pobre, metódico e pão-duro, como se pode deduzir de algumas cartas, ele mesmo cuidava de sua roupa, lavando, passando e fazendo eventuais pequenos consertos. Mesmo depois de ocupar os mais altos cargos da República hospedava-se em hotéis baratos e não se esquecia de pedir descontos em assinaturas de jornais e revistas. Nas Arcadas teve como colegas Campos Salles (1841-1913), Bernardino de Campos (1841-1915) e Francisco Rangel Pestana (1839-1903). Formado em Direito, Prudente abriu escritório de advogado em Piracicaba, cidade onde já estava instalado o seu irmão Manuel de Moraes Barros (1836-1902).
     Casado com Adelaide Benvinda, filha do padrinho Silva Gordo, Prudente ingressou na carreira política como vereador pelo Partido Liberal e presidiu a Câmara de Piracicaba em 1865-1868. Elegeu-se deputado provincial em São Paulo para a legislatura de 1868-1869. Enquanto seu irmão Manuel participara desde os primeiros momentos do movimento da propaganda republicana, Prudente se mantinha fiel ao Partido Liberal. O seu nome não aparece na lista subscrita em Piracicaba em apoio ao Clube Republicano e publicada na edição de 30 de março de 1871 do jornal A República. Ele também não figura no livro de presença da Convenção de Itu. Contudo, Prudente de Moraes consta da ata dessa assembleia, realizada a 18 de abril de 1873. O seu nome está grafado com caligrafia e tinta diferentes daquelas utilizadas na redação da ata, o que nos leva a pensar que ele tenha sido incluído posteriormente, talvez quando já era um nome famoso. Pode até ter sido parte da estratégia de valorização da Convenção de Itu, considerada o acontecimento instituidor do Partido Republicano Paulista (PRP). Mas, quando Prudente de Moraes se decidiu pelo PRP, daí em diante foi um dos mais ardorosos defensores da autonomia municipal, da federação, das ideias republicanas e dos interesses da política do café. Pelo PRP foi eleito deputado à Assembleia Legislativa Provincial de São Paulo (1878-1879, 1881-1883 e 1888- 1889) e deputado à Câmara dos Deputados (1885-1886).
     Com Francisco Rangel Pestana e Joaquim de Sousa Mursa (1833-1893), Prudente de Moraes integrou o triunvirato designado para governar São Paulo após a Proclamação da República, exercendo depois, durante dez meses, o cargo de presidente (governador) do estado. Em seguida, ingressou como senador na Assembleia Constituinte da República, da qual foi presidente e dirigiu os debates da Constituição aprovada em 1891. Derrotado por Deodoro da Fonseca na primeira eleição (indireta) à Presidência da República, Prudente foi candidato único na eleição direta de 1º de março de 1894, elegendo-se com cerca de 290 mil votos. Prudente assumiu o cargo a 15 de novembro de 1894. O seu governo apoiou os interesses dos produtores agrícolas e atuou como um dos mais eficientes defensores da política do café. Os cafeicultores paulistas representavam, desde antes da Proclamação, a força econômica dominante, mas ainda não tinham conseguido traduzir essa dominação em termos políticos institucionais. O sociólogo Raymundo Faoro (1925-2003), em Os donos do poder (1958), reconhece que o governo de Prudente de Moraes, ao contrário do que poderia indicar o momento da posse, seria de cautela e bom senso, continuando o trabalho de Floriano Peixoto na unificação e pacificação nacional. Prudente assegurou o controle do governo da República pelos civis, explorando com precaução e habilidade as dissensões internas das Forças
Armadas. Mas o seu governo teve que enfrentar vários focos de oposição herdados do governo anterior e protagonizados pelo Exército, funcionalismo público e governadores de estados.
     Em seu governo, a sede do Poder Executivo se transferiu do Palácio do Itamaraty para o Palácio do Catete, que passara às mãos do Governo Federal em 1896. Mas a transferência acabou se transformando
numa crise política. Problemas de saúde fizeram com que Prudente se licenciasse da Presidência em 11 de novembro de 1896, e viajasse para Petrópolis para se recuperar de uma cirurgia de extração de cálculos da bexiga. Seu estado de saúde fez com que oposicionistas defendessem sua renúncia. Apostando na impossibilidade de Prudente reassumir o cargo, o vice Manoel Vitorino (1854-1903) sentiu-se dono do poder e organizou, em 24 de fevereiro de 1897, sexto aniversário da promulgação da Constituição da República, uma luxuosa festa para marcar a inauguração do Palácio do Catete como sede do governo. Prudente voltou depressa com a família e, em segredo, desembarcou na estação da Estrada de Ferro Leopoldina, tomou um carro de praça e dirigiu-se ao Catete. Num recado curto e grosso, avisou o vice de que voltava ao exercício de suas funções.
     A 15 de novembro de 1898 entregaria o cargo ao sucessor, Campos Salles, numa situação bem diferente daquela de sua posse. O caipira avesso às solenidades fez absoluta questão de que a posse de seu sucessor se revestisse de pompa e circunstância. Prudente era um homem reservado, de pouca prosa e, desde os tempos da vereança em Piracicaba, fugia de reuniões festivas ou muito formais. Rui Barbosa o chamava de "taciturno do Itamaraty". Mas agora se tratava de entregar a Presidência para um velho colega de faculdade e companheiro de militância no PRP. No "Salão Liberdade" os dois paulistas se abraçaram e trocaram discursos protocolares em meio a uma ovação triunfal. Fortalecido no período final do governo e com a popularidade recuperada, deixou o Palácio do Catete acompanhado de uma multidão, que o levou à pensão Beethoven, no Largo da Glória, onde reservara aposentos.
     O atentado, único da história do país, teve como efeito a reversão do quadro político. Prudente, antes impopular, recuperou o prestígio e passou a ser entusiasticamente aclamado pelas multidões. Ao relatar as homenagens e manifestações tributadas ao ex-presidente, a Gazeta de Notícias de 16 de novembro de 1898 dizia: "Uma delirante expressão de simpatia do povo, comovedora até às lágrimas, foi a mais bela consagração do mérito do seu governo e ao mesmo tempo uma prova clara e esmagadora da conquista feita pela ideia republicana na alma popular, graças à sabedoria, à moderação e à tolerância desse mesmo governo que findou". Prudente de Moraes deixou o Rio de Janeiro no dia 19 de novembro e foi recebido com grande festa em todas as escalas na viagem de trem até Piracicaba, onde chegou no dia 23 daquele mês. Quatro anos depois, no dia 3 de dezembro de 1902, morria o ex-presidente, doente e enfraquecido pela insistente tuberculose.

Jonas Soares de Souza é historiador do Museu Republicano de Itu / Museu Paulista da Universidade de São Paulo e organizador de Prudente de Moraes: discursos e mensagens. São Paulo: Universidade de São Paulo / Editora Ottoni, 2003.
Fonte: Revista Nossa História - Ano III nº 27 – Janeiro - 2005


Pioneiro do marketing político
Fundando jornais republicanos e escrevendo diretamente aos eleitores, Campos Salles se tornou presidente do Brasil num governo marcado pelo saneamento das contas públicas
Victor Kraide Corte Real
     Fazendo uma busca nos porões de nossa memória, talvez seja possível lembrar que em algum momento das aulas de História do Brasil ouvimos falar que Campos Salles foi o segundo presidente civil da República, governando o país entre Prudente de Moraes e Rodrigues Alves. Quando muito, isso é tudo o que conseguimos recordar sobre nossos presidentes do passado.
     Ao assumir o governo, em 1898, Campos Salles preocupou-se principalmente com a economia e com a consolidação da República recém-proclamada. Uma altíssima dívida externa – que atingiu, em valores atuais, cerca de US$ 195,9 milhões em 1898 - inibia investimentos e afastava a possibilidade de novos empréstimos estrangeiros. A solução foi recorrer ao banco britânico London and River Plate Bank que, acreditando na seriedade do novo presidente, aceitou o acordo de financiamento denominado funding-loan, que escalonou os pagamentos da dívida. Para sanear as finanças domésticas, Campos Salles lançou
impostos e conteve duramente as despesas. No entanto, a população em geral foi obrigada a enfrentar anos de empobrecimento.
     Campos Salles conseguiu estabilizar a República através da controversa "Política dos Estados", firmando o revezamento entre paulistas e mineiros na liderança do país durante o período da República Velha. 
     Manuel Ferraz de Campos Salles nasceu no dia 13 de fevereiro de 1841, em Campinas, São Paulo. Ingressou na Faculdade de Direito de São Paulo em 1859, ao lado de outros futuros personagens importantes da História do Brasil, entre eles Prudente de Moraes (1841-1902), que seria presidente da República, e Bernardino de Campos (1841-1915), que presidiria por duas vezes o estado de São Paulo.
     Aos 21 anos, durante o quarto ano do curso de Direito, já envolvido com a militância política, Campos Salles dedicou-se ao tabloide A Razão, jornal liberal de ampla circulação no ambiente estudantil paulistano. Anos mais tarde, em 1869, participou da fundação da Gazeta de Campinas, convidado por Francisco Quirino (1841-1886).
     Em 1867, com apenas 26 anos, disputou pelo Partido Liberal uma vaga na Assembleia Legislativa da
Província de São Paulo. Seu trabalho de comunicação foi simples e intuitivo. Manuscritos, enviados aos eleitores, sensibilizaram e convenceram, tornando-o deputado provincial. Três anos depois, em dezembro de 1870, atuou na fundação do Clube Republicano e no lançamento do jornal A República, estampando
em seu primeiro número o celebrado Manifesto Republicano.
     Ainda constituindo uma chapa dentro da facção Liberal, os republicanos disputam as eleições municipais
de 1872. Campos Salles foi um dos escolhidos como vereador em Campinas. No ano seguinte, a Convenção de Itu decidiu pela formação do Partido Republicano Paulista (PRP), organizando os clubes e núcleos dispersos. Campos Salles assumiu o cargo de secretário, responsável pelo contato entre os correligionários através das circulares na imprensa. Ao lado de Américo Brasiliense de Almeida Mello (1833-1896) ajudou a fundar, em janeiro de 1875, o principal veículo de comunicação republicano: A Província de S. Paulo (atual O Estado de S. Paulo).
     A relação com o jornalismo não ficou na fundação de veículos. Em sua autobiografia, Da propaganda à Presidência (1908), Campos Salles deixa claro o apoio financeiro aos jornais que lhe fossem favoráveis, argumentando que desde a monarquia eram usados os "fundos secretos" do Tesouro para o serviço da imprensa. Como presidente da República, conta, também fez uso da verba secreta governamental destinada aos jornalistas. "Se isso constitui um crime, eu o confesso, sem declinar de mim a responsabilidade inteira", escreveu.
     Entre a eleição para vereador de Campinas, em 1872, até a Presidência da República, em 1898, foram muitos degraus. Nas eleições de 1876 assumiu, novamente, uma cadeira na Câmara de Campinas. Em 1881, elegeu-se deputado provincial pela segunda vez, não representando os liberais, como em 1867, mas sim os republicanos, que já formavam um partido.
     Em 1884 ocorrem novas eleições provinciais e gerais. Todos os esforços de Campos Salles foram direcionados para a Assembleia Geral. Utilizando os melhores recursos existentes na época, os republicanos desenvolvem uma ostensiva e inovadora forma de comunicação. Seus candidatos estampam na primeira página do jornal A Província de S. Paulo materiais de propaganda ilustrados com enorme retrato de cada um deles. A edição de 16 de novembro de 1884 foi dedicada a Campos Salles, que saiu vitorioso da eleição de 31 de dezembro.
O movimento republicano ficou mais enérgico a partir de 1886, devido às perspectivas de subida ao trono da princesa Isabel (1846-1921) e do príncipe consorte, Gastão de Orléans (1842-1922), o conde d'Eu. Nos últimos momentos da Monarquia, o Partido Republicano Paulista atuava como uma poderosa força política, contando com o apoio de 74 jornais.
     Em meio ao clima de grande efervescência, Campos Salles assumiu, em 1888, pela terceira vez, o cargo de deputado provincial em São Paulo. Como presidente da Comissão Permanente do PRP, manteve contato com alguns oficiais do 10° Batalhão da Cavalaria do Exército. Era o republicano responsável por manter a troca de informações entre Rio de Janeiro e São Paulo, dando suporte ao braço militar que almejava implantar a República.
     Com a queda do Império, assume o governo provisório o marechal Deodoro da Fonseca (1827-1892). Ao invés dos dois grandes partidos nacionais (Conservador e Liberal), regendo uniformemente todas as províncias do país, apareceram em cada uma delas agremiações diversas. Em São Paulo, assumiu o governo um triunvirato republicano, liderado por Prudente de Moraes. Muitos achavam que o cargo deveria ser de Campos Salles, mas ele fora convidado para uma posição de maior destaque nacional, o Ministério da Justiça.
     Sob o comando de Francisco Glicério (1846-1916) foi criado, em 1893, o Partido Republicano Federal (PRF), que recebeu desde os primeiros propagandistas republicanos até antigos defensores dos partidos monarquistas. Não concordando com as propostas da nova agremiação, Campos Salles manteve-se afastado.
     No pleito de 1º de março de 1894, o PRF obteve ampla vitória, elegendo Prudente de Moraes à Presidência da República. Campos Salles assumiu a Presidência (nome então dado ao governo local) de São Paulo depois da eleição de 15 de fevereiro de 1896.
     O governo Prudente de Moraes passou por sérias dificuldades com a Guerra de Canudos (1893-1897). Diante do clamor de setores da sociedade pela volta da Monarquia, Campos Salles enviou tropas para auxiliar o restabelecimento da paz na Bahia, aumentando seu prestígio junto ao forte colégio eleitoral baiano.
     Além do conflito no Nordeste, o comando do país se encontrava abalado com os desentendimentos que brotavam no núcleo do PRF, a ponto de Francisco Glicério passar de aliado a opositor de Prudente de Moraes. Por sua neutralidade e por contar com imenso respeito entre os republicanos, Campos Salles foi procurado por ambos os lados para propor uma reconciliação. Seu esforço não impediu que, em 7 de julho de 1897, fosse oficializado o rompimento entre Governo e PRF. A cisão representava um grande triunfo nas mãos de Campos Salles. Devido ao seu engajamento reconciliatório, seu valor pessoal ficou em evidência e sua candidatura à Presidência da República ganhou brilho e destaque.
     O Partido Republicano Federal não possuía uma opção interna unânime para a sucessão presidencial. A liderança nacional, assim como a maioria dos governos estaduais, encontrava em Campos Salles a melhor alternativa para trazer estabilidade para a República. Sua candidatura oficial foi lançada no Rio de Janeiro, no dia 12 de outubro de 1897. O escritor Alcindo Guanabara (1865-1918) registrou aquela opção estratégica como sendo uma capitulação formal do governo que esperava obter com a astúcia o que não conseguira com a força, ou seja, consolidar a República.
     Contando com o reconhecimento, inclusive, de muitos dos seus adversários, Campos Salles foi eleito em 1898, com 420.286 votos, contra os 38.929 do segundo colocado, Lauro Sodré. Como chefe da nação recebeu a denominação de "paladino do presidencialismo" pelo historiador Célio Debes, por ter aplicado, em seu Plano de Governo, todas as propostas de sua plataforma de candidato, com destaque para a política de austeridade econômica.
     O presidente também procurou estreitar o relacionamento entre os governos estaduais com a criação da "Política dos Estados", também conhecida como "Política dos Governadores". Fortaleceu a figura do presidente e garantiu a estabilidade da nação. Uma estabilidade, de certa forma, forçada e maquiada, por estar apoiada na oligarquia e que viria a ruir com o golpe de 1930 e o fim do período chamado República Velha. Entre seus ministros, na pasta da Justiça, estava o político paraibano Epitácio Pessoa (1865-1942), de apenas 33 anos, que se tornaria presidente em 1919.
     Campos Salles deixou a Presidência em 1902 e recusou uma nova candidatura federal em 1905. Faleceu em 1913, em Santos. A coragem e a honestidade levaram-no à ruína financeira; no entanto, manteve firmemente seus ideais republicanos até o fim. Casado com Ana Gabriela Campos Salles, declarou, em seu Manifesto Eleitoral de 31 de outubro de 1897, que o Partido Republicano era como uma família: "Esta família é o Partido Republicano; a ela pertenço, vivo no seu seio, aí tenho lutado, aí tenho sofrido, aí morrerei".

Victor Kraide Corte Real é mestre em Comunicação Social e leciona nos cursos de Jornalismo / Publicidade e Propaganda da Faculdade Prudente de Moraes e do Centro Universitário Barão de Mauá.
Fonte: Revista Nossa História - Ano III nº 28 - Fevereiro 2005

2 comentários:

  1. Foto de Campos Salles (litogravura) está datado do início do século XIX, mas ele nasceu 1841. Portanto deve ser do início do século XX.

    ResponderExcluir