“Aquele que não conhece a verdade é simplesmente um ignorante, mas aquele que a conhece e diz que é mentira, este é um criminoso”. (Bertolt Brecht)

domingo, 22 de julho de 2012

Sociedade Da Imagem - O Mundo Que Tudo Vê

Em uma sociedade dominada pelas imagens, ficção e realidade se misturam, e informação se confunde com propaganda.
Por Rodrigo Cruz, jornalista.
     O romance 1984 do escritor inglês George Orwell, publicado pela primeira vez em 1949 e adaptado para o cinema na década de 1980, retrata um futuro nada improvável, no qual a humanidade vive sob um regime totalitário sustentado por um enorme aparato midiático. Os indivíduos circulam por uma cidade impregnada de rádios, cartazes e "teletelas" (espécie de televisão que permite a população assistir determinadas programações e ao governo observar 24 horas por dia cada passo dos cidadãos por meio do personagem chamado "Big Brother") que garantem um constante fluxo de informação alienante controlada pelo Estado. O livro é considerado pioneiro até hoje por antecipar o que seria (ou o que pode vir a ser) a chamada "sociedade das imagens": excesso de informação, vigilância e controle absoluto sobre a vida das pessoas.
     Orwell é tão visionário que mesmo a grande mídia se apropriou de sua obra para batizar um de seus produtos mais rentáveis da última década, o reality show Big Brother (ou "Grande Irmão", em referência ao personagem de 1984 cujo rosto aparecia nas teletelas para relembrar os cidadãos da vigilância do Estado). Só que diferente da obra de Orwell, na atração televisiva criada pela rede de TV holandesa Endemol e exibida no Brasil pela Rede Globo, o espectador também é convidado a ser o "grande irmão" que tudo vê. Cabe à audiência observar 24 horas por dia o cotidiano dos participantes anônimos, decidir quem deixa o programa a cada semana e finalmente votar naquele que merece o prêmio final. Verdade? Ficção? Ou apenas uma ironia produzida pela sociedade das imagens?
     O escritor francês Guy Debord, em seu livro "A sociedade do espetáculo", resumiu esse fenômeno típico dos nossos tempos em uma única sentença. Para ele, "o espetáculo é o capital em tal grau de acumulação que se toma imagem". O jornalista e professor da PUC-SP Silvio Mieli, autor de diversos livros sobre o tema, não apenas concorda com Debord como amplia essa reflexão. "Pensemos na indústria do audiovisual. No cinema, na televisão, nos games e subprodutos. Será que existe algum domínio onde o capital se acumulou de tal modo, como na esfera do entretenimento audiovisual? E se acumulou tão profundamente que passou a viver da espetacularização dos aspectos mais degradantes e despotencializadores da realidade? É uma indústria cujo capital transformou-se na pura imagem espetacular", afirma.
     Mieli cita a constante exposição da vida pessoal das celebridades como fenômeno exemplar da "sociedade das imagens". Seja na perseguição intransigente dos paparazzi aos astros de Hollywood, no polêmico vazamento de fotos íntimas de atores e atrizes na internet ou nas inocentes entrevistas concedidas aos programas de fofoca, a cobertura dos meios de comunicação de massa impõe a midiatização de todas as esferas da vida humana - e não só a das celebridades. "O perigo é quando os valores de um sociedade inteira passam pelo mesmo crivo e todos precisam "dar a cara a bater" num facebook da vida", questiona Silvio. De fato, hoje, com a popularização de dispositivos digitais como celulares, smartphones, Iphones, Ipads, todos podem ser, em certa medida, observadores e observados, mesmo que isso signifique a superexposição da própria imagem.

E a realidade?
     Para o teórico estadunidense Fredrich Jameson, a "sociedade das imagens" é um fenômeno inerente ao que ele chama "capitalismo da mídia". Ele acredita que na atual etapa de acumulação do capital, objetos de todos os tipos (estrelas de cinema, automóveis, padrões de comportamento e sentimentos) foram transformados em mercadorias que têm como único objetivo suscitar o consumo das massas. Para Jameson, assim como a industrialização e a urbanização mudaram o ritmo, os costumes e a própria subjetividade das pessoas no século 19, as linguagens midiáticas alteraram de forma definitiva o modo de
vida do homem contemporâneo. O próprio reconhecimento de um público, multidão ou audiência de massa estimulou uma resposta mais concreta do indivíduo à sociedade, assim como o impulso para definir, fixar e representar –instantes isolados da vida diante das inúmeras distrações do mundo moderno. Hoje, no entanto, o excesso de imagens publicitárias, fotografias e vídeos que perpassam o cotidiano dos habitantes das grandes cidades promoveram uma fusão entre o imaginário da população e o universo sedutor das mercadorias. A cultura se transformou no próprio motor do capitalismo.
     Em sua obra, Jameson atenta para o fato de que esse fluxo ininterrupto de representações pode inclusive produzir uma "falsa realidade" que substitui a "vida real". O professor Silvio Mieli, no entanto, discorda dessa ideia. Ele acredita que, embora possam criar novas realidades, as imagens também enriquecem a experiência humana. "Dentro desse processo construtivista de articulação da nossa subjetividade, a pintura, fotografia e o cinema não só ajudaram a dar significado e sentido às várias realidades que nos cercam, como criaram outras, que não existiam antes do surgimento da tecnologia digital", explica. Para ele, as imagens produzidas pelo espaço midiático são absolutamente reais, com a diferença de que se tratam de "realidades pobres, despotencializadas, aviltadas, capitalizadas até a raiz", completa.

País Sequestrado
     Nessa sociedade em que o testemunho da realidade e a ficção pertencem ao mesmo regime de sentido
(a imagem), é natural que as fronteiras entre o real e o fictício sejam borradas. No caso do Brasil, onde o meio de comunicação mais abrangente é a televisão, essa tendência pode ser ainda maior. De acordo com a pesquisa "Hábitos de Informação e Formação de Opinião da População Brasileira", encomendada pelo Governo Federal em 2010 e realizada em todo o país, a TV e o rádio são os meios de comunicação mais utilizados pela população. Cerca de 96,6% dos entrevistados veem televisão e 80,3 % ouvem radio diariamente. Na televisão, os programas mais vistos são os telejornais e as novelas. E a emissora mais assistida é a Rede Globo, que detém 69,8% da preferência dos entrevistados.
     Fundada em 1965, a Rede Globo possui ampla cobertura nacional. Suas transmissões foram expandidas para 98% dos municípios do país na década de 1990, atingindo 17,9 milhões de residências em comparação com praticamente zero em meados da década de 1960. Tamanha abrangência qualquer programa exibido pela emissora carioca extremamente influente, especialmente as telenovelas que detêm a preferência do público.
     Para Silvio Mieli, o domínio do chamado "padrão Globo de qualidade" no imaginário dos brasileiros possui um lado perverso. "Temos uma imensa dificuldade de olhar para as nossas realidades sem o filtro do recorte global: o mesmo enquadramento, as mesmas cores, a mesma edição, o mesmo sotaque, acompanhado da trilha sonora da novela. Tudo isso automatizou a nossa percepção".
     Para ele, o "sequestro cultural" promovido pela emissora do "plin plin" é problemático por dois motivos. Primeiro porque a qualidade das produções se define pelo "casamento" de uma sexualização precoce com a comercialização de todas as esferas da vida. O segundo é que essas produções de qualidade duvidosa se tomaram hegemônicas e abafaram qualquer outra possibilidade cultural do país. "É uma condição muito autoritária que influi em todas as dimensões da nossa vida: no comportamento, na interpretação que temos da nossa própria cultura, e até nos patrocínios de outras produções culturais. Enquanto não nos livrarmos dessa lógica vai ser difícil inventarmos uma nova estética", completa.

Sedução na infância
     Um dos problemas mais graves da sociedade centrada nas imagens é o contato permanente da população com as imagens publicitárias, que hoje encontram-se espalhadas por toda a parte. No metrô, no banheiro do shopping ou nos elevadores, somos estimulados diariamente ao consumo desenfreado. Se para os adultos essa exposição exagerada pode ser perigosa, para as crianças ela pode trazer danos irreversíveis. Estudos indicam que as crianças com menos de quatro anos podem ser incapazes de distinguir os anúncios publicitários dos outros programas, enquanto que as crianças até aos 8 anos não estão aptas a determinar a validade da mensagem transmitida. Levantamento feito pelo Instituto Alana e pelo Observatório de Midia indicam que o público infantil foi o principal alvo da publicidade nos 15 dias que antecederam o Dia das Crianças, em outubro de 2011. A pesquisa analisou a programação de 15 canais de TV aberta e paga, durante 15 horas por dia. Em todo o período, as crianças foram alvo de 64% dos comerciais veiculados.
     Em países do norte europeu como a Suécia, a proibição de propagandas dirigidas a crianças e adolescentes já é uma realidade. Já na Inglaterra, a publicidade direcionada às crianças não pode mais incluir produtos de valor muito elevado, para evitar que os filhos venham a exigir dos pais produtos que estejam acima das condições financeiras da família. No Brasil, desde 2001 tramita na Câmara dos Deputados um projeto de lei (PL nº 5921/2011) que tenta proibir a publicidade e propaganda para a venda de produtos infantis. A total falta de apoio ao projeto fez com que muitos setores do movimento pela democratização da comunicação passassem a pautar a regulamentação em vez da proibição da publicidade
infantil. Para o professor Silvio Mieli, é urgente que os governos regulamentem essa questão. "Preservar a ecologia mental das crianças é uma tarefa complicada, porque o discurso publicitário não se limita mais aos espaços publicitários. Ele permeou toda a produção audiovisual. Vender sem trégua é o primeiro mandamento da produção contemporânea de imagens", afirma.

Cidade Sitiada
     A grande quantidade de cartazes publicitários, anúncios, placas, pichações, outdoors e televisores espalhados pelas grandes cidades brasileiras também gera desconforto psíquico para a população, provoca acidentes no trânsito devido ao desvio de atenção dos motoristas e pedestres e escondem parte da arquitetura original das cidades. Esse processo desvaloriza o ambiente urbano e reduz as cidades a simples espaços de promoção do fetiche mercadológico. E os efeitos dessa sobrecarga de informações desnecessárias pode afetar de forma grave a saúde mental da população.
     Uma pesquisa realizada em 2003 pelo Instituto Paulista de Stress, Psicosomática e Psiconeuroimunologia sugere que os estímulos visuais podem causar impactos nas pessoas sem que elas percebam. Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores convidaram 30 pessoas para assistir um filme de 52 minutos. O vídeo começa com imagens de parques e ruas tranquilas e depois mostra locais com alta concentração de publicidade, informação e sujeira. Aparentemente, os voluntários ficaram indiferentes ao conteúdo, mas os níveis de cortisol (substância liberada pelo organismo nos primeiros sinais de estresse) e a frequência cardíaca de todos eles aumentou de forma considerável.
     O projeto, "Lei Cidade Limpa", no entanto, é criticado por especialistas como Silvio Mieli. "Impedir que o tecido urbano seja invadido pela publicidade é fundamental. Só que no caso específico de São Paulo a gestão que conduziu a campanha tinha um modelo higienista. Uma ideia abstrata de cidade que, por exemplo, não aceita moradores em situação de rua perambulando e "poluindo" o cenário urbano, só para citar um exemplo. Então é preciso considerar que foi um bom projeto no âmbito de um conjunto de ações desarticuladas, que não contaram com a participação social e que tem como horizonte um modelo absolutamente despolitizado sobre a questão urbana", opina o professor.

"Dar-se a ver"
Diante da indiscutível predominância das imagens na sociedade contemporânea, é natural que o
campo da arte também reflita sobre os caminhos e descaminhos desse paradigma estético. O cinema, talvez a mais moderna entre todas as artes, já apontava para uma possível "falência das palavras" na década de 1950, quando o cineasta italiano Michelangelo Antonioni lançou a famosa trilogia da incomunicabilidade (composta pelos filmes A Aventura, A Noite e O Eclipse). As narrativas, permeadas de silêncio, retratavam o declínio dos valores culturais europeus pautados na oralidade e na escrita diante da emergência assustadora da publicidade e das novas tecnologias da comunicação e dos transportes. Uma década depois, Antonioni retomou ao tema com o clássico Blow-Up. A discussão permanece tão atual que cineastas como Sofia Coppola (Encontros e Desencontros) e Win Wenders (Pina) continuam a questionar constantemente o caráter visual da vida contemporânea.
     Para o professor Silvio Mieli, o século 19 pode ser considerado o século do "Dar-se a ver", ou seja, um tempo no qual a visão prevalece sobre os demais sentidos. Entretanto, ele faz uma observação importante quando o assunto é a "falência total" das linguagens oral e escrita. "Ao mesmo tempo, a tecnologia multimídia contemporânea permite um resgate, uma retomada da linguagem verbal oral e escrita. E, mais do que isso, na prática, a miniaturização e a mobilidade, aliadas ao barateamento dos equipamentos (celulares, câmeras de vídeo), estão facilitando os vários trânsitos entre as linguagens. Diziam que os computadores acabariam com os livros, mas nas livrarias as seções mais entulhadas são as de informática", explica o professor. Ele lembra que o desenhista Millôr Fernandes, falecido há pouco tempo, costumava ironizar a frase que diz que "uma imagem vale mais do que mil palavras". "Diz isso sem palavras!", brincava Millôr, que parecia acreditar mais na convergência de linguagens do que na derrota completa de qualquer uma delas.

Saiba Mais: Filmes
Blow-Up - Depois Daquele Beijo - 1966
Thomas (David Hemmings) é um fotógrafo de moda que não suporta mais o mundo em que vive, no qual jovens mulheres o perseguem para serem fotografadas na esperança de se tornarem grandes modelos. Um dia, ao passar por um parque de Londres, ele vê um casal à distância e resolve fotografá-los. Ao vê-lo Jane (Vanessa Redgrave) corre ao seu encontro, pedindo que lhe entregue os negativos das fotos. Ele se recusa e vai embora, mas ela descobre o endereço de seu estúdio e vai visitá-lo. Lá Jane tenta seduzi-lo e Thomas a engana, entregando outro rolo fotográfico. Ao revelar as fotos, Thomas percebe que pode ter documentado, sem querer, um assassinato.
Direção: Michelangelo Antonioni
Ano: 1966
Áudio: Inglês/legendado
Duração: 106 minutos

Encontros e Desencontros (Lost in Translation)
Bob Harris (Bill Murray) e Charlotte (Scarlett Johansson) são dois americanos em Tóquio. Bob é um decadente astro de cinema que está na cidade para filmar um comercial de uísque. E a bela Charlotte acompanha seu marido John (Giovanni Ribisi), um fotógrafo viciado em trabalho. Ambos estão no mesmo hotel, mas não se conhecem. Dividem apenas o tédio das horas que custam a passar. Bob passa quase todo o seu tempo livre no bar do hotel. Enquanto Charlotte fica horas olhando pela janela de seu apartamento. Até que um dia eles se conhecem e um novo mundo se descortina para ambos. De repente, Tóquio parece mais colorida, mais agitada e atraente. E aquelas duas vidas, antes tomadas pelo aborrecimento, ganham novas perspectivas. Nasce entre Bob e Charlotte uma amizade mágica, uma cumplicidade raramente vista, uma nova forma de ver a cidade e a vida.
Direção: Sofia Coppola
Ano: 2003
Áudio: Inglês/Legendado
Duração: 103 minutos

Pina
Pina é um filme de Wim Wenders, com o Tanztheater Wuppertal, sobre a obra da extraordinária coreógrafa alemã Philippine Bausch, mais conhecida como Pina Bausch (Solingen, 27 de julho de 1940 — Wuppertal, 30 de Junho de 2009). É uma viagem sensual e deslumbrante através das coreografias dançadas no palco e em locais da cidade de Wuppertal – cidade que durante 35 anos foi a casa e o centro de criatividade de Pina Bausch. Wim Wenders encontra a corógrafa Pina Bausch. Neste musical, o cineasta alemão conduz o espectador por uma viagem sensorial no espetáculo de encantamento que é a dança. Acompanhamos as conduções de Pina e o movimento do corpo de dança. Tendo filmado apenas quatro trabalho para o longa - Le Sacre du Printemps, de 1975, Kontakthof, de 1978, Café Muller, de 1978, e Vollmond, de 2006 -, Wenders resolveu seguir com o projeto após a morte de Pina, intercalando as cenas dos espetáculos com entrevistas e depoimentos dos bailarinos da companhia.
Direção: Wim Wenders
Ano: 2011
Áudio: Inglês/legendado
Duração: 100 minutos

1984 - A atualidade do “Grande Irmão” de George Orwell
Em um fictício ano de 1984, no qual o totalitarismo viria a dominar o Mundo inteiro. O Planeta é dividido em três grandes blocos, a Eurásia, a Lestásia e a Oceania, e cada um desses blocos tem basicamente a mesma doutrina ideológica. O Governo controla tudo e o povo vive em um constante estado de alienação, onde são manipulados a acreditar – e pior – a seguir voluntariamente os descabidos preceitos do Partido.
A supressão da liberdade é tão grande que existe a Polícia do Pensamento, a qual punia quem cometia “crimes-ideia” (ideologias diferentes da do Partido), além de filmagens que o Estado fazia das pessoas através de “tele telas” dentro de suas próprias casas. Se não bastasse, o Governo criava a Novilíngua, uma espécie de língua que mantinha apenas uma palavra para expressar um conceito e as outras eram excluídas, juntamente com aquelas que poderiam expressar uma ideia contrária à do sistema dominante. Com isso em um futuro próximo, quase ninguém disporia de recursos linguísticos para formular uma oposição à tal situação. Essa é uma visão pessimista que praticamente não possibilita esperanças.
O protagonista Winston Smith. Ele vive na Oceania, Londres e é funcionário do governo que trabalha para o Ministério da Verdade. Nesse “órgão” as informações antigas são refeitas para criarem uma constante noção de perfeição do Estado e do seu suposto chefe maior: o Big Brother (Grande irmão). Smith, intimamente, não concorda com as atrocidades que o Partido comete, e tenta timidamente se desvencilhar desse poder. Depois de viver um romance com Júlia, uma mulher que pensa como ele, Winston é preso e levado para a tortura (física e mental) na temida sala 101, onde a dor e o medo fazem qualquer homem negar seus ideais e aceitar coniventemente o Grande Irmão.
Direção: Michael Radford
Duração: 113 min.
Ano: 1984
Áudio: Inglês/Legendado

A Sociedade do Espetáculo (La Société du Spectacle)
É um documentário que ressalta o aspecto de espetacularização dos feitos, em qualquer sociedade, seja ela neoliberal ou socialista. O documentário foi rodado em cima de um livro de mesmo nome e também de Guy Debord. “O espetáculo se apresenta, simultaneamente, como representação da própria sociedade. Enquanto parte da sociedade, ela é o foco de toda a visão e de toda consciência. Mas por ser algo separado, ela é, na verdade, o domínio da ilusão e da falsa consciência: a unificação que realiza não é outra coisa senão a linguagem oficial da separação”
Direção: Guy Debord
Ano: 1973
Áudio: Francês/legendado
Duração: 87 minutos


Saiba Mais: Link

Um comentário:

  1. É isso o que vai acontecer no futuro, aliás já está acontecendo. Onde já se viu as pessoas serem estimuladas a observar a vida de outras 24 horas por dia? Reality shows são uma alienação. As pessoas não percebem que estão sendo condicionadas à ideia de ter a vida DELAS sendo observada daquele jeito. Isso vai se instalar e ninguém vai perceber.
    Essa não é a primeira obra crítica relacionada com esse assunto. Conheço uma trilogia (Jogos Vorazes - Suzanne Collins)que disfarça a crítica, mas quem percebe, reconhece que já estamos a perigo. [Julie Cristie - 1º ano A - Colégio Fênix]

    ResponderExcluir